Gafanhoto morto é encontrado em pintura de Van Gogh

Mary Schafer, restauradora do The Nelson-Atkins Museum of Art, se deparou com o pequeno corpo marrom seco enquanto estudava a pintura "Oliveiras" do artista holandês

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 09/11/2017 12:51

 AFP/NICHOLAS RATZENBOECK


Quando um museu de Kansas City pôs sob o microscópio uma pintura de Vincent van Gogh, encontrou um intruso inusual: um gafanhoto preso nos redemoinhos de pintura sobre a tela durante 128 anos. 

Mary Schafer, restauradora do The Nelson-Atkins Museum of Art, se deparou com o pequeno corpo marrom  seco enquanto estudava a pintura "Oliveiras" do artista holandês. "Tratava sobretudo de entender as diferentes camadas da pintura e como foi feita, e foi assim que eu encontrei parte do corpo deste pequeno gafanhoto", disse à AFP. 

"O fato de termos essa pequena surpresa de um gafanhoto é uma forma divertida de ter um novo olhar de um Van Gogh".  A descoberta, anunciada nesta semana, reflete a prática do artista de pintar ao ar livre, onde frequentemente ventava o suficiente para carregar poeira e insetos. 

"Devo ter recolhido um centena de moscas ou mais nas quatro telas que você receberá, para não mencionar poeira e areia", escreveu Van Gogh a seu irmão Theo em uma carta em 1885. O paleo-entomólogo Michael Engel, da Universidade de Kansas, disse à equipe do museu que faltavam o tórax e o abdômen do gafanhoto, e que não havia sinais de movimento na pintura ao redor do inseto, o que indica que ele já estava morto quando pousou na tela de Van Gogh.

"Oliveiras" é parte de uma série de 18 pinturas que Van Gogh fez sobre o tema em 1889 em Saint-Remy-de-Provence, na França, onde se internou voluntariamente em um manicômio. Ele morreu no ano seguinte.  

A descoberta do The Nelson-Atkins Museum of Art faz parte de um esforço que envolve curadores, restauradores, cientistas externos para revisitar sua coleção de 104 pinturas e pastéis franceses usando uma variedade de ferramentas, incluindo raios X, luz ultravioleta, microscópio e colhendo minúsculas mostras das obras. 

Ao observar uma pequena porção de "Oliveiras", o cientista restaurador John Twilley determinou que Van Gogh utilizou um tipo de pigmento vermelho do lago que se desbotou com o tempo devido à exposição à luz.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.