Milhares protestam em Barcelona pela libertação de separatistas catalães

Dez líderes separatistas estão em prisão preventiva como suspeitos de sedição e de rebelião

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/11/2017 16:00

AFP/Josep LAGO
Milhares de pessoas foram às ruas de Barcelona, neste sábado (11), reivindicar a liberdade dos líderes separatistas catalães detidos, em um novo teste sobre a capacidade de mobilização de um movimento que tenta se reorganizar após o fracasso da proclamação de independência.

"Os políticos não fizeram seu trabalho. Agora, cabe a todos os cidadãos" se manifestar, disse à AFP Robert Muni, que compareceu ao ato com seus dois filhos.

Sob o lema "Liberdade presos políticos", a manifestação começou às 17h (14h, horário de Brasília), na rua Marina, liderada por familiares dos líderes separatistas detidos.

Imagens transmitidas pela televisão mostravam essa rua, que termina na praia de Barcelona, tomada por um multidão com bandeiras separatistas, cartazes com a mensagem "liberdade" e fotos dos dirigentes presos.

Durante os discursos, está prevista a transmissão de uma mensagem gravada pelo presidente catalão recentemente destituído, Carles Puigdemont, que está em Bruxelas. Mais cedo, ele convocou a militância a comparecer à marcha.

"Temos - embora alguns estejam longe, e outros, na prisão - um encontro para expressar, com um clamor unitário, com um clamor alto e claro, que queremos liberdade e queremos democracia, que queremos em casa todos os que estão na prisão, ou fora (do país)", convocou Puigdemont, que é reivindicado pela Justiça espanhola.

Nessa mensagem, divulgada pela televisão pública catalã TV3, Puigdemont estimulou seus partidários: "temos de voltar a nos fazermos ouvir, que todo mundo ouça essas vozes plurais, que enviemos uma mensagem muito nítida e muito clara".

Dez líderes separatistas estão em prisão preventiva como suspeitos de sedição e de rebelião. Oito deles são membros do governo catalão, então chefiado por esse ex-jornalista de 54 anos.

Inicialmente previsto para 12 de novembro, o ato foi antecipado para hoje, na tentativa de ressoar as grandes manifestações de 11 de setembro, data da festa nacional da Catalunha.

O ato foi convocado pelas organizações Omnium e Assembleia Nacional Catalã. Seus líderes, Jordi Cuixart e Jordi Sánchez, também estão presos.

Estará no evento a prefeita de Barcelona, Ada Colau, que defende um referendo para a região, mas se mostrou muito crítica em relação à estratégia unilateral adotada pelos separatistas.

"Queremos que os presos saiam, mas também queremos que um governo irresponsável (o catalão), que levou o país ao desastre, dê as caras", disse ela, neste sábado, durante comício de seu partido.

"Elevou-se a tensão no país, levando-o a uma declaração unilateral de independência que a maioria do país não queria (...), enganando a população por interesses partidários", criticou.

Recuperar o impulso

Ainda não se sabe se estará lá a presidente do Parlamento catalão, Carme Forcadell, uma separatista de peso que foi posta em liberdade sob fiança esta semana, após se comprometer com acatar a lei, caso se mantivesse na política.

Segundo os autos da Justiça, ela e os deputados processados pela proclamação da independência em 27 de outubro disseram ter abandonado a política, ou que iriam continuar a exercê-la "renunciando a qualquer atuação fora do marco constitucional".

Além disso, relativizaram a proclamação de independência. Essa mudança de posição abre caminho para que outros separatistas façam o mesmo.

Tudo isso ocorre com as eleições regionais de 21 de dezembro no horizonte, convocadas pelo governo central do conservador Mariano Rajoy, em meio à destituição do Executivo catalão e à dissolução da Câmara regional. Essas medidas foram adotadas no âmbito do artigo 155 da Constituição.

A intervenção do governo central e as eleições estão provocando uma reorganização da estratégia do separatismo. As tentativas de Puigdemont de criar uma frente eleitoral pró-independência foram em vão até o momento.

Seus até agora sócios de governo, o ERC (Esquerda Republicana da Catalunha), já apresentaram sua lista eleitoral sozinhos, liderada pelo até agora vice-presidente catalão, Oriol Junqueras, um dos políticos detidos.

O partido larga como favorito, segundo as pesquisas, ainda que sem maioria absoluta e obrigados a buscá-la, o que pode levar a um rearranjo da política e da agenda catalãs. Nos últimos anos, ambas foram monopolizadas pelo debate sobre a independência.

O fim de semana ganhou clima de campanha eleitoral com vários atos dos partidos. No domingo, Rajoy irá a Barcelona para participar de um evento de seu Partido Popular (PP).

Seu principal oponente, o socialista Pedro Sánchez, atacou-o neste sábado por sua gestão da crise  na região.

"Viu o desafio separatista crescer e não fez nada para evitá-lo (...) Preferiu enfrentar, destruir, calar e dividir: esse é o legado das cinzas da direita", criticou.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.