Papa pede que budistas birmaneses superem o preconceito e o ódio

Convidado a discursar ante o comitê do Sangha Maha Nayaka, o Papa evitou falar especificamente sobre a minoria muçulmana

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 29/11/2017 10:30

 Vincenzo Pinto/ AFP


Yangon, Mianmar -
O papa Francisco, recebido nesta quarta-feira (29/11) pela máxima instituição budista de Mianmar, considerou "necessário superar todas as formas de incompreensão, de intolerância, de preconceito e de ódio", em um momento em que o país é criticado em todo mundo por causa da crise dos rohingyas.

Convidado a discursar ante o comitê do Sangha Maha Nayaka (instituição nomeada pelo governo que regula o clero budista), o Papa evitou falar especificamente sobre a minoria muçulmana, vítima de uma "limpeza étnica", segundo a ONU e os Estados Unidos.

Na terça-feira, Francisco pediu "respeito a todos os grupos étnicos", mas evitou pronunciar a palavra "rohingya" e não fez menção direta ao êxodo dessa minoria muçulmana vítima de perseguições para Bangladesh. Em um discurso pronunciado diante das autoridades civis do país na capital, Naypyidaw, o Papa também defendeu um "compromisso pela justiça e respeito aos direitos humanos".
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.