MP pede prisão preventiva de representantes de empresas sócias da Odebrecht

Imediatamente, pelo Twitter, a Justiça anunciou que programou a audiência de prisão preventiva para este domingo (3/12), às 9h30 do horário local (12h30 de Brasília)

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/12/2017 20:09

O Ministério Público do Peru pediu à Justiça, nesta sexta-feira (1/12), para decretar a prisão preventiva dos representantes de três empresas peruanas sócias da brasileira Odebrecht na construção de uma estrada interoceânica.

"Uma equipe especial solicitou, hoje, à Justiça prisão preventiva para os representantes das empresas peruanas sócias da Odebrecht, recentemente investigadas pelo pagamento de subornos do Projeto Rodoviário Interoceânico Sul, seções 2 e 3", afirmou o MP no Twitter.

Imediatamente, também pelo Twitter, a Justiça anunciou que programou a audiência de prisão preventiva para este domingo (3/12), às 9h30 do horário local (12h30 de Brasília).

A audiência será comandada pelo juiz Richard Concepción Carhuancho, que determinou a ordem de prisão preventiva por 18 meses contra os ex-presidentes Alejandro Toledo e Ollanta Humala, assim como contra a mulher deste último, Nadine Heredia, entre outros.
 
 
O procurador Hamilton Castro, que lidera as investigações do caso Lava Jato no Peru, anunciou na quarta-feira que estava formalizando uma investigação pelos crimes de lavagem de ativos e conluio contra três empresas peruanas sócias da Odebrecht.

As companhias envolvidas são Graña y Montero, JJ Camet e ICCGSA, informou Castro.

Segundo o MP, a decisão de investigar essas empresas peruanas foi tomada "como consequência de um paciente trabalho de corroboração no âmbito do processo especial de Jorge Barata", ex-representante da Odebrecht no Peru, que está colaborando com a Justiça.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.