Rachas complicam oposição ante planos de reeleição de Maduro

Embora a opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) tenha renunciado a participar em bloco nas municipais, partidos e dirigentes dessa coalizão apresentaram candidaturas alegando que não devem ceder espaços

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 05/12/2017 17:06

O tempo urge: em 2018 haverá eleições presidenciais na Venezuela e a oposição, rachada por temas como as eleições municipais do próximo domingo, complica suas chances de evitar um novo mandato de Nicolás Maduro.



Embora a opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) tenha renunciado a participar em bloco nas municipais, partidos e dirigentes dessa coalizão apresentaram candidaturas alegando que não devem ceder espaços.

Os principais grupos se marginalizaram após denunciar uma "fraude" nas regionais de 15 de outubro, nas quais o chavismo elegeu 18 de 23 governadores.

Essa decisão abriu caminho para uma nova vitória governista no domingo, que chegaria depois que o vice-presidente, Tareck El Aissami, anunciou que Maduro buscará a reeleição.

A isso se somam diferenças nas negociações empreendidas pela MUD com o governo de Maduro na República Dominicana, a fim de tentar resolver a aguda crise política e econômica, ainda sem acordos.

"Haverá uma eleição presidencial e é uma possibilidade de mudar as circunstâncias, se, e somente se, a oposição apresentar um único candidato e um único discurso", disse à AFP Jesús Torrealba, secretário executivo da MUD entre setembro de 2014 e fevereiro de 2017.

A consultoria Eurasia Group considera que o "aprofundamento das divisões" na MUD poderia ser aproveitado pelo governo para adiantar as presidenciais para o primeiro trimestre de 2018, que estão marcadas para dezembro.

 

 

'Implosão'


Após vencer de forma esmagadora as parlamentares de dezembro de 2015, a MUD viveu sucessivos reveses apesar da erosão da popularidade de Maduro pela crise e da crescente pressão internacional, que acabou em sanções financeiras dos Estados Unidos.

Um referendo para revogar o mandato de Maduro foi bloqueado em 2016 pelo Poder Judiciário - acusado de servir ao governo - e iniciativas legislativas para destituir o presidente fracassaram em 2017.

Hoje, alguns dirigentes criticam o diálogo por considerá-lo uma "traição" após a morte de 125 pessoas em protestos entre abril e julho, e uma armação de Maduro para "ganhar tempo".

Torrealba atribui os rachas à "irrupção de protagonismos presidencialistas" que acreditavam que a coalizão bloqueava o "crescimento de suas franquias".

"Maduro não foi capaz de derrotar a MUD (...), a MUD foi objeto de um processo de implosão", lamenta.

Em meio a manifestações que exigiam a sua saída do poder e derivaram em violentas ações, Maduro instaurou uma Assembleia Constituinte que rege com poderes absolutos e é unicamente integrada por chavistas.

Depois das ruas se apagarem, a oposição foi às urnas em 15 de outubro contra o rechaço de líderes como María Corina Machado. "Não são eleições, são adjudicações", disse à AFP.

A MUD se dividiu ainda mais quando quatro de seus cinco governadores cederam à exigência de serem juramentados ante a Constituinte, desconhecida pela coalizão, para assumirem seus cargos.

A eleição de outro candidato foi invalidada por não se subordinar, enquanto o ex-candidato à Presidência Henrique Capriles se retirou da MUD que, segundo Machado, "deixou de existir".

Questão de necessidade

 

Héctor Navarro, ex-ministro do falecido presidente Hugo Chávez (1999-2013) que se opôs a Maduro e à MUD, acredita que o presidente aproveita as fraquezas da coalizão. "Não é que você esteja melhor, e sim o outro que está pior", declarou à AFP.

Explorando as divisões, Maduro agradeceu no fim de semana o "espírito colaborativo" dos negociadores da MUD na República Dominicana.

A oposição tem emblemáticos dirigentes presos, como Leopoldo López, ou inabilitados, como Capriles.

Embora o governo pareça coeso, Navarro adverte sobre rachas que aumentarão. Analistas consideram um sinal disso a ação contra a corrupção na petroleira Pdvsa, que levou altos hierarcas à prisão.

Líderes opositores projetaram acelerar a convocação de primárias para escolher o adversário de Maduro, prevendo uma antecipação das eleições.

O cientista político Luis Salamanca acredita que apesar de tudo a oposição acabará se reagrupando. "Há uma necessidade mais forte do que as causas internas: evitar a reeleição de Maduro", declarou à AFP.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.