EUA recordam Rússia que situação na Ucrânia não permite normalizar relações

A reunião anual da OSCE é realizada em um momento em que as relações entre Washington e Moscou atravessam um momento difícil

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 07/12/2017 16:01

A situação do conflito no leste da Ucrânia supõe "um obstáculo persistente para qualquer normalização" das relações entre Estados Unidos e Rússia, advertiu nesta quinta-feira (7/12) o secretário de Estado americano, Rex Tillerson.



As declarações foram feitas na reunião de ministros das Relações Exteriores dos 57 membros da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), em Viena, da qual também participa o russo Sergei Lavrov, e cujo principal ponto é a mobilização das forças de paz na Ucrânia.

A reunião anual da OSCE é realizada em um momento em que as relações entre Washington e Moscou atravessam um momento difícil.

"Alcançamos um ponto baixo no que concerne à confiança entre os principais atores", declarou antes da abertura da reunião o secretário-geral da organização, Thomas Greminger.

 

Leia as últimas notícias de Mundo

 

"Podemos ter diferenças sobre outros temas (...), mas quando um país invade outro, é um problema difícil de ignorar ou aceitar", explicou Tillerson em coletiva de imprensa com seu contraparte austríaco, Sebastian Kurz.

"Dissemos claramente à Rússia desde o início: temos que enfrentar o tema ucraniano, é o obstáculo mais difícil para normalizar nossas relações", acrescentou.

À margem da conferência da OSCE, Tillerson tem previsto se encontrar com seu homólogo russo, Sergei Lavrov.

Moscou sugeriu o envio dos Capacetes Azuis para proteger os observadores da OSCE a cargo de supervisionar o frágil cessar-fogo entre Kiev e os rebeldes separatistas.

Mas as potências ocidentais pedem que estendam o mandato de uma força de paz para toda a região disputada no leste da Ucrânia.

Cerca de 600 observadores da OSCE têm a missão de controlar o respeito ao acordo de paz concluído na Ucrânia.

Desde a explosão da crise ucraniana, a organização serviu de fórum onde Ucrânia, Rússia, União Europeia e Estados Unidos puderam dialogar.

Morreram mais civis este ano no leste da Ucrânia do que em todo o ano de 2016, e as violações ao cessar-fogo aumentaram 60%, assegurou Tillerson.

"Temos que ser claros sobre a origem desta violência: a Rússia arma, lidera, treina e luta junto com as forças contra o governo", explicou.

A OSCE agrupa 57 países, dos Estados Unidos à Mongólia, passando por Canadá e todo o continente europeu, para discutir temas de segurança, economia e direitos humanos.

Foi criada durante a Guerra Fria para facilitar o diálogo entre o bloco do leste e do oeste.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.