Publicidade

Estado de Minas

Ao menos 70 civis são mortos em bombardeios sírios na Guta Oriental

A Força Aérea síria bombardeou nesta terça-feira esse bastião rebelde, indicou a ONG Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH).


postado em 06/02/2018 19:23

(foto: Abdulmonam Eassa / AFP )
(foto: Abdulmonam Eassa / AFP )


Beirute, Líbano -
Ao menos 70 civis, incluindo crianças, morreram em bombardeios contra o enclave rebelde de Guta Oriental, perto de Damasco, nesta terça-feira (6/2), dia em que a ONU abriu uma investigação sobre supostos ataques químicos do governo sírio.

A Força Aérea síria bombardeou nesta terça-feira esse bastião rebelde, indicou a ONG Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH). Os ataques provocaram a morte de ao menos 70 civis, entre eles 18 crianças, detalhou a ONG.

Guta Oriental, cercada pelas forças do regime desde 2013, é bombardeada quase diariamente, e seus quase 400.000 habitantes sofrem com a escassez de alimentos e remédios. Nas últimas semanas o regime intensificou seus bombardeios nesse enclave, assim como na província de Idlib, outro bastião rebelde do noroeste da Síria.

Na segunda-feira, 31 civis morreram em ataques do regime contra Guta Oriental, e 16 pessoas morreram em Idlib, segundo o OSDH. Essas duas regiões fazem parte das quatro zonas de distensão instauradas na Síria para obter uma trégua nos combates. O conflito que afeta a Síria desde 2011 deixou mais de 340.000 mortos.

Na terça-feira, uma comissão da ONU que investiga crimes de guerra cometidos na Síria, estimou que os combates nessas zonas "fazem cair no ridículo as chamadas zonas de distensão". "Nas últimas 48 horas, a importância e a ferocidade dos ataques aumentaram consideravelmente", lamentou.

A comissão anunciou também que estava investigando supostos ataques químicos do regime em Saraqeb, uma localidade da província de Idlib, onde se reportaram 11 casos de asfixia, assim como em Guta Oriental.

Em 22 de janeiro, o OSDH reportou 21 casos de asfixia em Guta, enquanto habitantes e fontes médicas haviam relatado um ataque com cloro. O regime de Damasco nega utilizar armas químicas. Na segunda-feira, Washington tentou fazer com que o Conselho de Segurança adote um projeto de declaração de condenação do uso de armas químicas na Síria.

Mas Moscou quis emendar o texto, particularmente para que Guta não seja mencionada, mas não conseguiu o apoio dos Estados Unidos. A embaixadora americana na ONU, Nikki Haley, disse ao Conselho de Segurança que havia "provas evidentes de dezenas de vítimas" para comprovar o uso de cloro nos ataques a Guta Oriental.

Vassily Nebenzia, embaixador russo na ONU, respondeu acusando os Estados Unidos de promoverem uma "campanha propagandística" para culpar falsamente o presidente Bashar al Assad.

Os representantes de diferentes agências da ONU com escritório em Damasco lamentaram uma "situação extrema" e pediram "um fim imediato das hostilidades por ao menos um mês em toda a Síria", segundo um comunicado.

O objetivo é "permitir a distribuição de ajuda humanitária, a retirada de feridos e pacientes em estado crítico, e aliviar o sofrimento" de civis, indicou o comunicado. "A equipe humanitária das Nações Unidas na Síria adverte sobre as consequências desastrosas se a crise humanitária se agravar em várias regiões do país", ressalta o comunicado.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade