BRASIL / ECONOMIA / POLÍTICA
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Moradores da favela incendiada planejam reconstrução de casas no local

Agência Brasil

Publicação: 18/09/2012 17:05 Atualização:

São Paulo – Moradores da Favela do Moinho que foram vítimas nesta segunda-feira (17/9), pela segunda vez, em menos de nove meses, de um incêndio de grandes proporções, já planejam a reconstrução dos barracos no local. Na manhã desta terça, vizinhos ajudavam na retirada do entulho em meio à fumaça que persistia do incêndio que matou uma pessoa e desabrigou cerca de 50 famílias, no dia anterior.

“É só limpar o que dá e subir [construir com] a madeira que tiver. Não dá para as pessoas dormirem na rua”, justificou um dos moradores que ajudou na remoção, mas que não quis se identificar.

A cozinheira Denize Agnes da Silva, de 33 anos, foi uma das pessoas que dormiram na rua na madrugada de hoje. Esta é a segunda vez que ela perde todos os seus pertences em decorrência de incêndio. “Já passei por isso no ano passado. Perdi tudo e precisei reconstruir”, relatou. Em dezembro passado, outro incêndio atingiu essa comunidade, deixando 1,2 mil pessoas desabrigadas e duas pessoas mortas.

A família da aposentada Marinalva Conceição, de 59 anos, também passa por situação parecida. No último incêndio, foi a sua filha, Mileide Conceição, que teve a casa consumida pelas chamas. “A gente não está aqui porque quer. O que a gente precisa é de moradia digna. Não adianta mandar a gente para abrigo”, reivindica a moradora.

O risco de incêndio na comunidade ainda assombra os moradores do Moinho. “Hoje de manhã teve outro foco que foi controlado pelos próprios moradores. Mesmo quem não teve a casa atingida, como eu, está receoso de outro acidente”, disse a operadora de caixa Tatiana Souza Gomes, de 34 anos. Ela espera que esse incêndio leve a uma solução mais rápida para o problema. “Queremos pagar pela nossa casa. É só dar oportunidade”, garante.

Leia mais notícias em Brasil

De acordo com a Defesa Civil do município, as famílias receberam kits de emergência com colchões, cesta básica e itens de higiene, e ainda foram encaminhadas para abrigos municipais, quando não tinham outra opção. O secretário de Coordenação das Subprefeituras do município, Ronaldo Camargo, informou ontem que as famílias devem receber auxílio-aluguel até que as casas para onde serão transferidas estejam prontas. Segundo o secretário, o conjunto habitacional contemplará 1,3 mil famílias e está localizado próximo à Ponte dos Remédios, na zona oeste da capital.
Tags: celular

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.