política
  • (3) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Peritos que investigaram acidente de JK negam tese de conspiração política Peritos que investigaram o acidente fatal do ex-presidente Juscelino Kubitschek criticam o relatório final da Comissão da Verdade da Câmara Municipal de SP. Eles são contra a tese de que a morte de JK ocorreu por causa de uma conspiração política

Leandro Kleber

Publicação: 12/12/2013 06:01 Atualização:

O Opala que levava Juscelino ficou destruído ao bater de frente com um ônibus da Viação Cometa (Arquivo AE)
O Opala que levava Juscelino ficou destruído ao bater de frente com um ônibus da Viação Cometa


A divulgação do relatório final da Comissão da Verdade da Câmara Municipal de São Paulo, com 90 itens que apontam que a morte do ex-presidente Juscelino Kubitschek como resultado de uma conspiração política, abriu uma guerra de versões. Do lado oposto de quem acredita que a batida de carro na Via Dutra em 1976 foi decorrência de uma armação dos militares estão os peritos oficiais que trabalharam no caso. Todos eles, sem exceção, se mostram indignados com as teorias que surgem para explicar um suposto atentado. A principal suspeita da Comissão da Verdade paulistana é de que o motorista do Opala de JK, Geraldo Ribeiro, teria levado um tiro antes da colisão com o caminhão no sentido contrário da pista.

Os peritos, entre eles o então diretor do Instituto Carlos Éboli, ao qual o Instituto Médico Legal do Rio de Janeiro era vinculado, Roberto de Freitas Villarinho, e Sérgio de Souza Leite, responsável pelos trabalhos no local do acidente, defendem que o carro de JK bateu inicialmente em um ônibus da Viação Cometa, que seguia de São Paulo para o Rio de Janeiro, e, assim, atravessou o canteiro central e colidiu com um caminhão. O carro ficou totalmente destruído na frente. Segundo eles, havia rastros de frenagem do ônibus na pista e tinta do Opala nele, o que comprova a batida.

A teoria de que JK foi assassinado é alimentada, principalmente, pela operação Condor, executada com apoio dos Estados Unidos durante a ditadura no Brasil. O objetivo da operação era articular os órgãos de segurança de vários países do Cone Sul, com o apoio do serviço secreto americano, para eliminar as personalidades políticas que eram oposição aos regimes ditatoriais da América Latina.

Em 2001, o então deputado Paulo Octávio (DF), casado com a neta de JK Ana Cristina Kubitschek, sugeriu a criação de uma comissão para esclarecer em que circunstância ocorreu a morte do ex-presidente no km165 da Via Dutra, no município de Resende (RJ). Realizada depois de uma investigação dos laudos periciais produzidos à época da colisão, a comissão analisou o processo judicial, examinou o pedido de reabertura das investigações formulado por Serafim Jardim, ex-assessor de JK, e colheu depoimentos de pessoas que defendem as duas correntes: a de acidente e a de assassinato. O objetivo era ouvir e comparar os diversos argumentos “para chegar a uma conclusão isenta”.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.
Tags:

Esta matéria tem: (3) comentários

Autor: Marcus Pereira
Nenhum político pode morrer acidentalmente às vesperas de uma eleição, porque dirão que é assassinato. Ficam inventando histórias e o povo vai na conversa !!! | Denuncie |

Autor: Paulo Costa
Daqui a pouco irão dizer que JK foi morto pelo filho ou neto de Lee Harvey Oswald, que foi trazido ao Brasil pelos militares para assassinar JK!!! Que tal essa hipótese ser levantada pela "iminente" Comissão da "Verdade". Mais uma piada histórica!!! Será q a "erva" uruguaia já chegou no Brasil ??? | Denuncie |

Autor: Paulo Costa
Conspiração da Mentira deslavada!!! Um tiro na cabeça de uma pessoa em um carro em movimento na Via Dutra?? O atirador merece uma Medalha de Ouro Olímpica!! Devaneios, imaginação, invencionice...mais uma vez a deturpação histórica! O novo "perito" desembarcou junto c/ os médicos cubanos? Só pode!!! | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.