política
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Comissão Nacional da Verdade faz investigação paralela sobre o caso JK Para o vereador Gilberto Natalini (PV), presidente do grupo paulista, havia motivos para a ditadura assassinar o JK

Leandro Kleber

Publicação: 15/12/2013 06:05 Atualização:

Enquanto a Comissão da Verdade da Câmara Municipal de São Paulo considera “o assassinato de Juscelino Kubitschek, vítima de conspiração, complô e atentado político na rodovia Presidente Dutra, com base em 90 indícios”, a Comissão Nacional da Verdade ainda investiga o caso. De acordo com a assessoria de imprensa do colegiado, os trabalhos estão sendo feitos com base na documentação disponível sobre o assunto e não têm qualquer ligação com o apurado pelo grupo paulista — apesar de haver um acordo de cooperação entre ambos. A próxima reunião da comissão nacional será feita apenas em 2014 e o documento produzido pelos paulistas deverá ser analisado pelos integrantes.

Para o vereador Gilberto Natalini (PV), presidente do grupo paulista, havia motivos para a ditadura assassinar o JK. “Ele era um forte candidato a derrotar o candidato do regime militar. Houve, naquele período entre 1975 e 1979, uma matança da cúpula do Partido Comunista Brasileiro e de outros movimentos como a ALN (Ação Libertadora Nacional)”, diz. Segundo ele, os peritos fizeram laudos falsos. “A gente não é criança. No tempo da ditadura, podia fazer isso. Hoje, não. O JK foi vítima de um atentado. O motorista levou um tiro”, acredita Natalini. “A verdadeira história brasileira será resgatada”, avalia.

O perito criminal Alberto Carlos de Minas disse ao Correio que viu um buraco com características de tiro no crânio do motorista de JK, Geraldo Ribeiro, quando o corpo dele foi exumado em 1996. A cena ocorreu, segundo ele, no cemitério da Saudade, em Belo Horizonte. “Eu estava a uns 5m de distância do corpo e vi, nitidamente, um orifício no crânio quando uma pessoa tirou a ossada da urna. Depois de tantos anos de trabalho, a gente sabe o que é cada coisa”, garante Alberto, que disse ter sido impedido de fotografar a cena por militares no local. Ele não fez participou de nenhuma perícia sobre o caso.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.
Tags:

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Paulo Costa
J.P.Cunha se compara e Dilma proclama Lula "o Mandela do Brasil"; Mensaleiros/corruptos são presos políticos; JK foi assassinado por ação de um sniper; o cardiopata Jango foi envenedado; Cuba é um "Paraíso Democrático"; treinados em Cuba/China lutavam pela Democracia...essas são as verdades q querem? | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.