política
  • (3) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Congresso Nacional devolve mandato presidencial a João Goulart O argumento para perda do mandato foi que o presidente havia fugido do país

Agência Brasil

Publicação: 18/12/2013 18:44 Atualização:

O Congresso Nacional devolveu nesta quarta-feira (18/12), simbolicamente, o mandato presidencial de João Goulart, destituído do cargo em 1964. A sessão solene, proposta pelos senadores Pedro Simon (PMDB-RS) e Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), anulou a sessão que declarou vago o cargo de presidente da República, que possibilitou o afastamento de Jango. O argumento para perda do mandato foi que o presidente havia fugido do país.

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), destacou a devolução do cargo ao ex-presidente, afirmando que o ato do Congresso declara que Jango foi uma vítima que tentou resistir ao golpe militar, não um fugitivo. “Como presidente do Senado Federal e do Congresso Nacional, em nome da instituição, peço desculpas pela inverdade patrocinada pelo Estado contra um ilustre brasileiro, um nacionalista, patriota, reformista, e que, talvez, tenha conseguido reunir uma das melhores equipes de governo na história do Brasil”, ressaltou.

Para o filho de Jango, João Vicente Goulart, a destituição do cargo não foi um ato direto contra a figura do presidente, mas contra as reformas trabalhistas enviadas ao Congresso Nacional no ano do golpe. “A história de Jango hoje se coloca acima dos partidos políticos. Repito as palavras que disse quando me despedi pela segunda vez, em São Borja, do meu pai, Jango, a democracia venceu”, disse ao receber o documento de devolução simbólica do mandato de João Goulart.

O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), destacou que a sessão solene é um resgate da histórica política do país. “A importância da iniciativa do Congresso deve ser vista também como uma forma de mostrar às novas gerações o que de fato aconteceu no Brasil em 1964, para que não haja “melancólica repetição”, destacou. A presidenta Dilma Rousseff também participou da cerimônia.

Leia mais notícias em Política

Em 16 de dezembro, os restos mortais do ex-presidente João Goulart, foram levados a Brasília para exames no Instituto Nacional de Criminalística (INC) do Departamento da Polícia Federal, e depois levados de volta para São Borja (RS), onde foram enterrados com honras militares.

O exame vai esclarecer se o ex-presidente foi vítima de um ataque cardíaco, em 1976, quando vivia no exílio, na Argentina, ou se foi assassinado pela ditadura militar. O exame foi solicitado pela família de João Goulart depois que um ex-agente da repressão uruguaia disse que, na verdade, Jango havia sido envenenado.

Esta matéria tem: (3) comentários

Autor: Silvio Rohden
Este governo vai tirar ainda o Título de maior coveiro da história do Brasil,pois é uma corrida contra o relógio para desenterrar caveiras que nunca tinha visto até aqui.Agora depois de tantos anos,o homem por pouco não vai virar santo,o populismo deste governo me envergonha.Avança Brasil. | Denuncie |

Autor: Paulo Costa
A democracia venceu ??????? Q democracia; a do "paraíso"de Cuba, da "liberal" China, da "pacifista" URSS de um dos maiores assassinos (em torno de 7 milhões de mortes) da humanidade, Stalin... Será que agora vamos nos aproximar do Regime "democrático" da Coréia do Norte ? Q verdade é essa !!!!!!! | Denuncie |

Autor: Paulo Costa
A história está sendo violentada! Meu Deus! Por onde andava Jango, lhes digo em visita à "Democrática" China, onde fez um pronunciamento radical, em q revelou sua intenção de estabelecer no Brasil uma República Popular...qual o próximo passo, rebatizar o País como República Popular do Brasil?? | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.