política
  • (2) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Gleisi Hoffmann e Sérgio Cabral devem deixar cargos antes das eleições Gleisi Hoffmann confirma a intenção de deixar a Casa Civil em janeiro, mas evita falar em disputar o governo do Paraná. No Rio, Sérgio Cabral anuncia que deixa o cargo em março

Grasielle Castro - Correio Braziliense

Publicação: 28/12/2013 07:00 Atualização: 28/12/2013 07:19

Gleisi Hoffmann diz que estará 'à disposição' do sucessor na Casa Civil (Iano Andrade/CB/D.A Press)
Gleisi Hoffmann diz que estará "à disposição" do sucessor na Casa Civil


Depois do anúncio da presidente Dilma Rousseff de que pretende finalizar a reforma ministerial até o fim do carnaval, em março, para liberar os que querem se candidatar, o cenário político começa a se alinhar. Ontem, como quem diz adeus, a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, disse que prefere sair ainda em janeiro. “Foi um período muito bom. Aprendi muito e espero ter contribuído também. Vou sentir saudade, com certeza”, disse a senadora licenciada, em tom de despedida.

Embora não confirme a intenção de concorrer ao governo do Paraná pelo PT, a ministra diz que quer sair exatamente para poder pensar melhor no futuro. “É uma avaliação política que eu não quero misturar enquanto estou exercendo a função aqui. Gosto de separar as coisas. Até para que isso (a candidatura) possa ser considerado, avaliado e decidido é que eu solicitei à presidente o afastamento”, contou, durante café da manhã de confraternização com jornalistas no Palácio do Planalto. A expectativa é sair no fim do próximo mês, mas cabe à presidente Dilma Rousseff bater o martelo. A ideia da ministra é ficar no cargo até o próximo dia 13, quando tira 10 dias de férias, e retornar à função apenas para esvaziar as gavetas.

Gleisi não quis comentar a possível indicação do ministro da Educação, Aloizio Mercadante — conforme antecipou a coluna Brasília-DF —, ou do secretário executivo do Ministério do Planejamento, Carlos Eduardo Gabas, para substituí-la. Segundo ela, a transferência do cargo será “natural como foi nas outras situações”. “Estarei à disposição sempre que o próximo ministro ou ministra precisar para dar informações. Nós temos uma equipe que tem estabilidade e tem subchefias. Quando muito, o ministro troca os assessores mais imediatos, os subchefes, o secretário executivo, mas tem todo um corpo funcional da Casa Civil que sabe a situação de cada programa, de cada ato que acompanha, portanto não é uma transição difícil, não é algo demorado”, minimizou.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (2) comentários

Autor: Sidrach morais
Vá e não voltará mais porque teremos um novo presidente no lugar do PT. Quanto a ganhar para algum cargo nas próximas eleições, eu não tenho nada contra a Gleisi Hoffmann, que, por sinal, é muito simpática e creio ser muito competente. Lembro a todos que é Deus quem escolhe os nossos governantes. | Denuncie |

Autor: CLEITON PEREIRA DA SILVA
Espero que leve junto a Dilma e todo legado do PT que só vem causando tristeza aos brasileiros .Há ia esquecendo leva o MANTEGA também que é um péssimo ministro e para variar aumentou o imposto para compras com cartão .MAIS IMPOSTOS PARA UMA NAÇÃO QUE ACEITA TUDO .ATÉ QUANDO VAMOS ACEITAR TUDO .??/ | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.