política
  • (2) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Gastos com educação em 2013 ficam abaixo da meta do próprio governo Melhorias na área estarão na pauta das manifestações esperadas para 2014

Andre Shalders - Correio Braziliense

Publicação: 03/01/2014 06:00 Atualização:

Uma das principais bandeiras das manifestações de rua que tiraram o sono dos governantes em junho do ano passado está longe de alcançar o patamar traçado como meta pelo próprio governo federal. Mesmo após as promessas do Executivo, o crescimento dos investimentos em educação encontra-se aquém do necessário para chegar, em uma década, ao índice de 10% do Produto Interno Bruto (PIB) previsto no Plano Nacional de Educação (PNE). Aprovado no Senado em dezembro, o texto seguirá agora para análise da Câmara. Em 2013, o gasto da União com educação foi de R$ 91,3 bilhões, de acordo com dados do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi) do governo federal, atualizados em 21 de dezembro. O montante representa aumento de R$ 4,4 bilhões em relação ao investimento do ano anterior, mas seriam necessários R$ 7,8 bilhões para chegar ao desejado. Ou seja, faltaram R$ 3,4 bilhões.

“Quando o PNE estiver em vigência, teremos de aumentar em 0,5% ao ano o gasto em educação. Em valores de 2012, significaria um incremento de cerca de R$ 20 bilhões, entre União, estados e municípios”, explica Daniel Cara, coordenador da Campanha Nacional pelo Direito à Educação. “Mesmo com o PNE ainda não vigente, a União precisa ampliar os investimentos em educação, pois tem a obrigação constitucional de ajudar técnica e financeiramente os estados e os municípios. E esses entes, historicamente, têm dificuldades”, completa.

Apesar de os gastos não estarem no ritmo necessário previsto no projeto de lei que tramita na Câmara, o Ministério da Educação (MEC) afirma que tem conseguido utilizar praticamente todo o dinheiro destinado à pasta. Por meio de nota enviada ao Correio, o MEC diz que “empenhou cerca de 99% do limite orçamentário disponível em 2013”. Em 2012, a pasta conseguiu empenhar 98% dos recursos disponíveis. “É preciso acompanhar a execução, ou seja, o que é gasto. Mas, além disso, é preciso verificar o resultado desse investimento”, diz Cara.

A cobrança por mais investimentos em educação deve voltar à ordem do dia nos protestos previstos para este ano — especialmente durante a Copa do Mundo, entre junho e julho —, mas as discussões não estarão restritas às ruas. Além da polêmica votação do PNE, que teve o texto alterado no Senado, em fevereiro cerca de 3 mil pessoas estarão em Brasília para a Conferência Nacional de Educação (Conae) 2014. O evento, promovido pelo poder público, debaterá temas como a expansão do ensino superior, o financiamento da educação e uma nova avaliação para a educação básica.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.
Tags:

Esta matéria tem: (2) comentários

Autor: José A. S. Neto
Como é bom ler nas entrelinhas ! Antes se falava que não tinha investimento em educação. Hoje a preocupação é que ela ainda NÃO É A IDEAL. Isto mesmo, agora estamos falando em IDEAL, já passamos a fase do não ter nada. PT saudações . . . . | Denuncie |

Autor: Yandara Pajaú
Nunca vai haver um governo afinado com projetos concretos para a educação desse País, investir na educação custa caro e nenhum governo que ver o povo inteligente!!! Isso é uma Herança da Idade Média!!! | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.