política
  • (2) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Marina Silva deve dificultar aliança do PSB com o PSDB Prestes a ser confirmada como vice na chapa do governador de Pernambuco, a ex-senadora pretende dificultar acordo dos tucanos com o PSB em São Paulo. Em Minas Gerais, no Rio de Janeiro e no Paraná, a negociação está em andamento

João Valadares

Juliana Cipriani

Publicação: 04/01/2014 08:00 Atualização:

Eduardo conversa com Sérgio Guerra (D) durante a cerimônia de posse de secretários tucanos no governo de Pernambuco: aproximação (Blenda Souto Maior/DP/D.A Press - 2/1/14)
Eduardo conversa com Sérgio Guerra (D) durante a cerimônia de posse de secretários tucanos no governo de Pernambuco: aproximação


A união de socialistas e tucanos em Pernambuco, com a entrada de dois nomes do PSDB na gestão do presidenciável Eduardo Campos (PSB), é apenas o primeiro passo para aproximação dos dois grupos políticos em outras unidades da Federação. A lógica é unir onde for possível. A ex-ministra Marina Silva, que deve ser confirmada como vice na chapa de Campos até o fim do mês, não colocou obstáculos em Pernambuco por ser o quintal do governador, no entanto, já vetou a aliança em São Paulo, onde Geraldo Alckmin (PSDB) tentará a reeleição. Os marineiros também podem complicar o namoro do PSB com o PSDB principalmente em Minas Gerais, no Rio de Janeiro e no Paraná.

O deputado federal Walter Feldman (PSB-SP), muito próximo a Marina Silva, avalia que o cenário de Pernambuco é atípico. “É uma realidade local. A nossa posição é ter candidatura própria. Em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Minas Gerais, estamos lutando para isso. Não ter candidatura própria é um problema porque dificulta a explicitação de um programa alternativo para o Brasil. Em Pernambuco, não temos esse problema uma vez que o governo de lá já é do PSB”, explicou.

Feldman afirmou ainda que, no plano nacional, a Rede Sustentabilidade apoia Eduardo Campos, mas isso não significa que ocorra divergências nos estados. “Onde a Rede se sentir incomodada, vamos ter candidatura própria. Não podem jogar para a gente essa posição de dificultar. A avaliação é de que, em Pernambuco, não há problema em o PSDB apoiar a candidatura do PSB do ponto de vista programático. Lá, não existe a polarização que vemos em outros estados”, comentou. Dos principais partidos que faziam oposição a Eduardo Campos nas eleições de 2006, apenas o DEM ainda não aderiu ao governo. O PMDB do senador Jarbas Vasconcelos aliou-se em 2012.

Para o deputado Júlio Delgado (PSB-MG), o que aconteceu em Pernambuco já é o efeito prático do jantar entre Eduardo Campos e Aécio Neves, no fim do ano passado, num restaurante no bairro do Leblon, no Rio de Janeiro. “Pernambuco é apenas o primeiro ato. A nossa intenção seria compor em São Paulo também. No Paraná e no Pará, a mesma coisa. Eduardo e Aécio fizeram a primeira sinalização. A iniciativa de Eduardo já foi tomada”, ressaltou.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.
Tags:

Esta matéria tem: (2) comentários

Autor: Silvio Rohden
A Marina Silva,deve olhar menos para o próprio umbigo,e olhar mais para o Brasil,desta vêz deve pensar no Brasil Maior,mudar o rumo da política,moralizar e voltar a dar credibilidade ao eleitor que está cansado de tanta corrupção e tanta descrença nos politiqueiros de plantão.Ninguém é perfeito,..... | Denuncie |

Autor: Ernani oliveira
MANDA ESSA MARINA PEGAR O BECO!!! | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas