política
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Presidente Dilma Rousseff terá desafio extra na reforma ministerial Com a dança de cadeiras de ministros, Dilma será obrigada a mexer em peças escolhidas diretamente por ela há três anos

Marcelo da Fonseca

Publicação: 12/01/2014 08:15 Atualização:

Pimentel, da cota pessoal de Dilma, é um dos que deixará o cargo (Weimer Carvalho/Divulgação)
Pimentel, da cota pessoal de Dilma, é um dos que deixará o cargo


A reforma ministerial representará um desafio extra para a presidente Dilma Rousseff: pela primeira vez desde o início de seu governo, ela terá de fazer várias substituições ao mesmo tempo em cadeiras ocupadas por ministros indicados pelo PT e de sua cota pessoal. Desde janeiro de 2011, quando ela assumiu o Palácio do Planalto, 21 ministros deixaram o governo, sendo apenas três deles petistas — Antonio Palocci, Luiz Sérgio e Fernando Haddad.

Pelo menos quatro partidários da presidente devem deixar suas cadeiras para disputar as próximas eleições: Gleisi Hoffmann, Fernando Pimentel, Alexandre Padilha e Maria do Rosário. Até agora a maior parte das trocas nos ministérios esteve ligada a partidos aliados ao Planalto e coube às legendas negociar indicações para ocupar as cadeiras vagas. Com a confirmação das trocas este ano, Dilma chega ao último ano do mandato com menos de um terço dos nomes que começaram no governo. Dos 25 ministros, sete foram mantidos no cargo desde 2011.

A aguardada reforma ministerial deve começar no fim do mês, quando Dilma retornar de viagens no exterior — dia 22 ela estará em Davos, na Suíça, onde participará do Fórum Econômico Mundial, e depois vai a Cuba para reunião da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos, no dia 26. As primeiras trocas devem acontecer na Casa Civil e na Saída, com as saídas de Gleisi Hoffmann e Alexandre Padilha, respectivamente. Pré-candidato ao governo de São Paulo, Padilha integra a lista de 10 ministros que mantiveram a vaga na Esplanada desde o início do governo. O ex-prefeito de Belo Horizonte e ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Fernando Pimentel, é outro que está no governo desde o início e deixará seu cargo. Ele deve disputar o governo de Minas.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas