política
  • (2) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Manifestações preocupam, mas Fifa e governo tentam tranquilizar a situação No início do mês, Dilma pediu ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que fizesse o possível para garantir segurança máxima

Thaís Cieglinski

Publicação: 28/01/2014 09:18 Atualização:

» Thaís Cunha
» Grasielle Castro

Blatter, presidente da Fifa: avaliação é que o futebol está 'protegido' (Fabrice Coffrini/AFP)
Blatter, presidente da Fifa: avaliação é que o futebol está "protegido"

Os protestos que marcaram a realização da Copa das Confederações no Brasil, em junho do ano passado, deram sinais de que vão continuar no Mundial de 2014. A notícia de que mil manifestantes fecharam os dois sentidos da Avenida Paulista, em São Paulo, foi suficiente para causar transtorno ao paulistano, mas não preocupa a Federação Internacional de Futebol (Fifa), que descarta adiar ou cancelar a disputa no Brasil por conta do movimento Não vai ter Copa. Oficialmente, o clima de calmaria também reina no Palácio do Planalto. No entanto, embora negue que tenha marcado reunião de urgência com ministros envolvidos nos preparativos para o Mundial de futebol, o governo está atento aos movimentos sociais e tem sido cauteloso.

A preocupação do Planalto tem fundamento nas manifestações de junho, que derrubaram a aprovação do governo da presidente Dilma Rousseff, com vaias no estádio e protestos nas ruas. No início do mês, escaldada pelo desgaste do ano passado, a presidente pediu ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que fizesse o possível para garantir segurança máxima.

Leia mais notícias em Política

Organizado pelas redes sociais, o movimento contra a Copa foi reforçado em outras cidades brasileiras com o principal argumento de que os investimentos no torneio prejudicam os gastos com saúde e educação no Brasil. Cartazes como “Queremos hospitais e escolas no padrão Fifa” voltaram às ruas. Com o temor de que esse movimento ganhe grandes proporções, o governo ainda traça uma estratégia. A principal proposta é compartilhar a segurança do país entre o Ministério da Justiça e o da Defesa, como ocorreu na Jornada Mundial da Juventude e na Copa das Confederações.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.
Tags:

Esta matéria tem: (2) comentários

Autor: Ana Paula Reis
Guerra Mundial!!!!! Pois o povo tá cansado de ser idiotas com tanta corrupção. | Denuncie |

Autor: carvalho Pereira
Os servidores da segurança são os verdadeiros testas de ferro desses políticos que não estão nem aí para quem precisa de escola e hospital público. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.