política
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Autoridades debatem sobre a reforma agrária, em congresso do MST De acordo com a Cnbb, haverá uma assembleia em maio para falar da reforma agrária e o papel da Igreja

Andre Shalders - Correio Braziliense

Publicação: 13/02/2014 20:05 Atualização: 14/02/2014 12:55

O MST realizou no fim da tarde desta quinta-feira (14/2) uma plenária com representantes de partidos políticos, movimentos sociais e religiosos. Em comum, as falas expressaram preocupação quanto à possibilidade de aprovação, no Senado Federal, da chamada “Lei antiterror”.

Considerado vago, o substitutivo apreciado esta semana abriria margem para a criminalização dos movimentos sociais. “Felizmente esse movimento foi nessa semana, pois o Senado quase aprova uma lei antiterror que diz que se manifestar e ocupar prédio público é terrorismo. E é difícil encontrar alguém aqui que não seja enquadrado por ela”, disse o pedagogo e presidente nacional do PSOL, Luiz Araújo.

“Estaremos juntos com vocês na luta contra esse projeto que surgiu como lei antiterror e que mostrou ser uma lei anti-povo, uma lei anti-manifestação”, disse Márcio Astride, representante do Greenpeace na plenária.

Leia mais notícias em política

O ato foi aberto com uma fala do bispo Dom Guilherme Werlang, representante da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Ele disse que a reforma agrária será o tema da próxima assembleia geral da entidade, em maio. O Partido dos Trabalhadores esteve representado pelo presidente da legenda, Rui Falcão. “O MST representa um avanço que impulsiona a democracia no Brasil e favorece a aprovação de reformas estruturais que nós demandamos e que a correlação de forças na sociedade e no parlamento ainda não permitiu que ocorresse”, disse ele, numa fala rápida.

O PT também esteve representado pelo governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, e pela presença expressiva da bancada do partido na Câmara e no Senado. Além dos petistas, o PSB também marcou forte presença durante o encontro. Coube ao governador do Amapá, Camilo Capiberibe, falar em nome da legenda. Ele veio acompanhado do pai, senador João Capiberibe, e da mãe, Janete, que é deputada federal pela legenda. A plenária foi fechada com um discurso do economista e fundador do MST João Pedro Stédile. “Nós não os trouxemos aqui para apresentar nosso projeto, e sim para comprometê-los com a defesa de uma reforma agrária popular, que sirva para produzir alimentos saudáveis para o povo brasileiro”, disse.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.