política
  • (6) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Juristas avaliam caso dos dois rapazes acusados da morte de cinegrafista Defesa tentará mudar a classificação criminal dos jovens

Étore Medeiros

Publicação: 16/02/2014 07:01 Atualização: 16/02/2014 10:02

Caio (C), suspeito de soltar o rojão, foi preso na última quarta-feira na Bahia (Tânia Rêgo/Agência Brasil - 12/2/14)
Caio (C), suspeito de soltar o rojão, foi preso na última quarta-feira na Bahia

O Ministério Público do Rio de Janeiro deve decidir até sexta-feira se oferecerá denúncia à Justiça contra Caio Silva de Souza e Fábio Raposo, suspeitos de terem lançado o rojão que matou Santiago Andrade, cinegrafista da TV Bandeirantes. O delegado Maurício Luciano de Almeida indiciou os dois jovens por crime de explosão e por homicídio triplamente qualificado — motivo fútil, emprego de explosivo e sem possibilidade de defesa da vítima. O inquérito entregue ao MP fluminense na última sexta-feira define que Caio e Fábio agiram com dolo eventual, ou seja, que assumiram o risco de matar, ainda que não tivessem essa intenção. Ambos estão presos temporariamente no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, Zona Oeste do Rio.

Leia mais notícias em Política

Jonas Tadeu Nunes, advogado dos dois suspeitos, assim como especialistas ouvidos pela reportagem, no entanto, discordam do enquadramento. “Homicídio qualificado não foi. O que aconteceu foi lesão corporal, resultante de negligência e imprudência, seguida de morte”, definiu Nunes ao Correio, antes do indiciamento, quando o delegado já havia sinalizado qual seria a acusação. O advogado também não acredita que tenha havido crime de explosão. “Explosão, para mim, é dinamite, granada… Se ele (rojão) fosse considerado explosivo, não seria vendido livremente e deveria ser fiscalizado pelo Exército”, completou.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (6) comentários

Autor: arceu mendes
investiguem, apurem bem os fatos, não cometam erros por somente querer dar resposta a sociedade, o erro foi grave, uma vida foi ceifada, e a justiça tem que ser feita, não foram somente estes dois jovens que cometeram o crime, tem muita gente envolvida nestes atos que não podem ficarem impunes. | Denuncie |

Autor: Paulo Costa
Nossa juventude, para não dizer nosso povo, tem sido, há tempos, "aliciado" por falsas "verdades"...terroristas são heróis da democracia, vândalos são "inocentes" jovens, policiais são "torturadores", Cuba é um "paraíso democrático", Fidel é "endeusado" como grande personalidade, Lula é a solução... | Denuncie |

Autor: Paulo Costa
Existem coautoria: os Governos e a própria mídia q foram condescendentes com esses "jovens", "Partidos Políticos" q motivaram, autoridades q apenas viram a "violência" policial. E os policiais q, tb, no cumprimento de seus deveres foram feridos...esses não entram para a estatística dos DH, OAB... | Denuncie |

Autor: Ricardo Cubas
Crime de explosão? Quer dizer que quando detono fogos de artifício de maneira imprudente ou irresponsável estou praticando crime? A meu ver, a atecnicidade da autoridade policial acaba por comprovar que ela age de forma parcial: a opinião pública quer sangue? então que se dê sangue a ela. | Denuncie |

Autor: Alvaro Brito
O Delegado está meio fora do contexto, e alguns estão aproveitando para restringir por lei o direito de expressão! | Denuncie |

Autor: Nilo Teixeira
E os outros? Sob esse ponto de vista todos que soltaram rojões durante a manifestação cometeram tentativa de assassinato. Como ficam os demais indiciamentos? O Brasil nunca regulamentou o direito de manifestação. Por que a presença da polícia em toda manifestação. Manifestar é ser constrangido | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.