política
  • (4) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Liminar do STF permite que servidores do Congresso tenham supersalários Os funcionários tiveram o benefício suspenso em outubro, após decisão do Tribunal de Contas da União (TCU)

Adriana Caitano

Diego Abreu

Publicação: 18/02/2014 16:52 Atualização:


 (Adauto Cruz/CB/D.A Press)


O ministro Marco Aurélio Melo, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu uma liminar definindo que a Câmara dos Deputados e o Senado Federal devem voltar a pagar as remunerações extras aos servidores que ultrapassavam o teto constitucional. Os funcionários tiveram o benefício suspenso em outubro, após decisão do Tribunal de Contas da União (TCU), em outubro. A decisão foi tomada no último sábado, mas as duas Casas do Congresso só foram notificados ontem (17).

A liminar foi concedida em favor do Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo Federal e do Tribunal de Contas (Sindilegis), que reclamou direitos iguais para todos os funcionários. Na semana passada, o ministro Marco Aurélio havia concedido liminar para um consultor da Câmara e, em seguida, para a Associação dos Consultores Legislativos e de Orçamento e Fiscalização Financeira da Câmara dos Deputados (Aslegis). Todos os mandados de segurança utilizavam o mesmo argumento: o de que os servidores não foram ouvidos e, portanto, o direito de ampla defesa não foi considerado antes da obrigatoriedade do corte.

Leia mais notícias em Política

Na decisão, Marco Aurélio concorda com as reclamações dos servidores. "A preservação de um Estado democráticod e direito reclama o respeito irrestrito ao arcabouço normativo. Descabe endossar, no afã de se ter melhores dias, um recuo na concretização dos ditames constitucionais, considerado o fato de órgãos de envergadura maior olvidarem as garantias inerentes ao devido processo aseguradas na Carta da República", destaca o ministro.

A Constituição determina que nenhum servidor público pode receber mais que o salário fixo dos ministros do Supremo, que hoje é de R$ 28 mil. No entanto, diversos funcionários conseguem acumular benefícios por cargos comissionados ocupados, conhecidos como funções ou jetons. Alguns dos próprios ministros do STF e trabalhadores do TCU têm esse direito. A decisão do Tribunal de Contas de outubro, no entanto, atingiu apenas os funcionários do Congresso. "A lei precisa valer para todos, mas vem sendo utilizada de acordo com circunstâncias e conveniências e queremos que haja uma regulamentação", comenta o presidente do Sindilegis, Nilton Paixão.

Tramitam no Congresso pelo menos duas propostas que tentam estabelecer critérios para as situações em que o teto pode ser superado, conforme mostrou o Correio/Estado de Minas há duas semanas. O Conselho Nacional do Ministério Público e o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), porém, possuem regras internas específicas que permitem os super salários. "Então que o Congresso crie sua própria regra, o que não vale é haver dois epsos e duas medidas", completa Paixão.

Esta matéria tem: (4) comentários

Autor: Victor Fernandes
E a Constituição onde fica nessa decisão? | Denuncie |

Autor: Júlio Albuquerque
Por isso que muitos formados no Direito são péssimos odeiam as ciências exatas. Claro, não sabem o que é lógico, racional ou até moral. No Direito, quando se quer, se acha uma saída lógica e moral. Basta pensar um pouco. | Denuncie |

Autor: Adeilsa Sekisugi
é por isso que povo fica revoltado | Denuncie |

Autor: Anilton Moccio
Decisão vergonhosa do STF, meus pêsames. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

:: Publicidade



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas