política
  • (2) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Marchinhas marcam protesto na Câmara contra projeto anti-terrorismo O projeto de lei que irá disciplinar as manifestações de rua deve ser encaminhado ao Congresso pelo Palácio do Planalto até esta sexta-feira

Adriana Caitano

Publicação: 19/02/2014 16:25 Atualização: 19/02/2014 16:38

Contrata nós, Dilma: servidores da casa eram maior parte dos manifestantes  (Adriana Caitano/CB/D.A Press)
Contrata nós, Dilma: servidores da casa eram maior parte dos manifestantes

Um grupo de cerca de 20 pessoas, a maioria servidores da Câmara dos Deputados, circulou pelos corredores da Casa na tarde desta quarta-feira em protesto contra o projeto, em elaboração pelo governo federal, que pretende inibir o terrorismo e as manifestações de rua. Identificando-se como representantes da Força Sindical, eles criticavam a proposta com cartazes nas mãos e sob o som de marchinhas de carnaval.

De acordo com o presidente da Força Sindical, Miguel Torres, a música "Eu te amo, meu Brasil" foi escolhida em referência ao lema usado pelo regime militar "Ame-o ou Deixei-o". Segundo Torres, o projeto do governo federal se assemelha ao Ato Institucional número 5, o AI-5 que restringiu os direitos dos brasileiros na época da ditadura. "A presidente foi reprimida pela ditadura e sabe que a manifestação é uma arma do povo e impedí-la é um retrocesso, um tiro no pé da democracia", disse.

O deputado federal Paulo Pereira (SDD-SP), o Paulinho da Força, participava do protesto e marcou um encontro entre o grupo e os presidentes da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), para o fim desta tarde. "O AI-5 dizia que três pessoas juntas eram quadrilha e esse projeto vai baixar o número para duas, ou seja, a Dilma foi torturada pela ditadura e aprendeu muito com ela", criticou o parlamentar. "É preciso ser duro na punição contra os mascarados e baderneiros, mas não se pode criminalizar os movimentos sociais".

O projeto de lei que irá disciplinar as manifestações de rua deve ser encaminhado ao Congresso pelo Palácio do Planalto até esta sexta-feira. Nele deverá constar a proibição do uso de máscaras, a exigência de notificação prévia dos atos a autoridades públicas e o agravante a quem cometer crimes durante os protestos. O governo nega que haja a tentativa de cercear o direito de manifestações populares no país.

Esta matéria tem: (2) comentários

Autor: ERASMO FERNANDES
Não acho que as manifestações devam ser proibidas, sou contra os manifestantes que vão fazer arruaça nas ruas de mascaras e paus para atrapalharem as manifestações ordeiras. Senhores Parlamentares, digam não à mordaça. | Denuncie |

Autor: Horst Mohn
Àqueles que quiserem se manifestar, faça-o contra quem insiste em protestar no anonimato, escondido em máscaras ou o que o valha. Eu, mesmo, não fui a nenhuma manifestação no ano passado exatamente porque sabia no que ia dar: briga, violência e vandalismo. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.