política
  • (4) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Parlamentares não aprovam nenhum projeto no primeiro mês de trabalho Se fevereiro já não foi animador, nos próximos 10 meses, a realidade deve ser a mesma

Andre Shalders - Correio Braziliense

Amanda Almeida

Publicação: 03/03/2014 07:00 Atualização: 03/03/2014 07:54

Representantes dos Três Poderes na sessão inaugural dos trabalhos do Legislativo, no início de fevereiro: baixa produtividade contamina uma pauta apertada pelo calendário
 (Bruno Peres/CB/D.A Press - 3/2/14)
Representantes dos Três Poderes na sessão inaugural dos trabalhos do Legislativo, no início de fevereiro: baixa produtividade contamina uma pauta apertada pelo calendário


Um mês depois do início do ano legislativo, parlamentares da Câmara dos Deputados e do Senado foram pular carnaval com as mesmas pendências que deixaram ao entrar de recesso em 2013. Com a lentidão dos trabalhos, as duas Casas acumularão propostas que se arrastam desde o ano passado, como o novo indexador da dívida de estados e municípios e o Marco Civil da Internet. O acúmulo ainda aumentará com as propostas que chegarão em breve aos dois plenários. Na lista das que entram, está o texto, prometido pelo Palácio do Planalto para esta semana, que “regulamenta” as manifestações. Se fevereiro já não foi animador, nos próximos 10 meses, a realidade deve ser a mesma. Ano eleitoral e Copa do Mundo atrasarão ainda mais os trabalhos.

Leia mais notícias em Política

Embora o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), tenha dito na abertura dos trabalhos legislativos, em 3 de fevereiro, que os parlamentares deveriam priorizar o “rolezinho legislativo”, por ora é o “rolezinho político” que tem prevalecido. O carnaval, por exemplo, começou na quarta-feira para grande parte dos senadores e deputados. Logo pela manhã, o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), teve de encerrar a sessão por falta de quórum. Na data, seria votado o envio de uma comissão de deputados à Holanda para investigar suposto pagamento de propina a funcionários da Petrobras.

A estagnação, no entanto, não se restringe ao período pré-carnaval. O plenário da Casa não conseguiu concluir a votação de nenhum dos seis projetos que trancam a pauta desde a volta do recesso. Somente quando limparem a pauta, os deputados poderão apreciar textos propostos por eles próprios — possíveis trunfos para mostrar aos eleitores em outubro. Empregados domésticos, agentes comunitários de saúde e policiais são alguns dos profissionais que terão de reforçar o lobby se quiserem a aprovação das propostas de interesse.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui

Esta matéria tem: (4) comentários

Autor: paulo nascimento
Uma verdadeira farra! Num país como este não poderia ser diferente. Infelizmente os que realmente sofrem somos nós, os honestos e extinção. | Denuncie |

Autor: Alvaro Brito
Que tal uma lei por dia, assim todo ano teríamos 365 leis...........Resumo: Chega de fazer leis, temos é que rever as que estão ai, NÉ! | Denuncie |

Autor: EDSON MUNIZ
O melhor emprego do mundo e tem gente que ainda acha normal votar obrigado!!! Pra isso??? | Denuncie |

Autor: jose santos
Tá faltando idéias criativas dos nossos representantes no que diz respeito à criação de leis que de fato beneficiem o povo..... | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas