política
  • (2) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Aécio e Campos criticam o governo sobre a compra da Pasadena pela Petrobras Candidato tucano defende a investigação no Congresso e Eduardo Campos teme os efeitos de uma apuração sobre a Petrobras

Paulo de Tarso Lyra - Correio Braziliense

Publicação: 23/03/2014 09:51 Atualização: 23/03/2014 09:57

Aécio considerou um 'ato de covardia' do governo a demissão de um executivo da Petrobras na sexta-feira (George Gianni/PSDB)
Aécio considerou um "ato de covardia" do governo a demissão de um executivo da Petrobras na sexta-feira

 

Embora com posições distintas em relação à instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a compra da refinaria de Pasadena pela Petrobras, os pré-candidatos do PSDB e do PSB à presidência, Aécio Neves (MG) e Eduardo Campos (PE), criticaram ontem o governo por conta do episódio. Em Salvador, Campos lembrou que, em três anos, a estatal vale três vezes menos do que valia em 2010. “Às vezes, fico seriamente desconfiado se isso não faz parte de um plano para desvalorizar e vender a Petrobras.” Já Aécio criticou, em Campos do Jordão (SP), o aparelhamento do PT, que está, segundo ele, dilapidando patrimônios públicos, como a Petrobras e a Eletrobras. “Queremos reestatizar a Petrobras, tirá-las das mãos de um partido político que vem dilapidando este patrimônio do povo brasileiro”, frisou.

Leia mais notícias em Política

Os dois prováveis adversários da presidente Dilma Rousseff em outubro, contudo, divergem quanto às propostas de investigação. O tucano tentará mobilizar, a partir da próxima terça-feira, a oposição no Congresso para a instalação de uma CPI Mista, apesar de vozes dissonantes dentro do próprio PSDB. Já Campos acha cedo para criar uma CPI. “Temos de ter tranquilidade para cumprir as etapas necessárias. Isso para que, depois, não venham fazer leituras equivocadas, de que estamos nos valendo (politicamente) de uma situação de constrangimento do governo, mesmo que tenha sido gerada pelo próprio governo”, ponderou ele.

Além de possíveis efeitos políticos, o governador de Pernambuco teme que uma CPI, mal conduzida, possa prejudicar a própria empresa. “Minha preocupação, neste momento, é não deixar a Petrobras vulnerável, é preservar a empresa por tudo o que ela significa para o Brasil e para a economia brasileira”, completou. “A gente tem esse tipo de preocupação, que não haja uma disputa política sobre o tema.”

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (2) comentários

Autor: Joel Barros
autocríticas, ajudam construir! mas, baixa criticas - só ajudam à corromper! senão, são as festas dos PÁSSAROS AGOURENTES; INVENTANDO OSSOS NA CARNIÇA, QUANDO QUEREM FAZER A FESTA DOS OSSOS DOS SEUS OFÍCIOS!!!... | Denuncie |

Autor: Ernani oliveira
FAÇA UM PLESBICITO. O POVO QUER CPI DA PETROBRAS. NÃO AGUENTAMOS MAIS TANTO ROUBALHEIRA NESSE GOVERNO DA DILMA E DO AGNELO. CHEGA!!! | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas