política
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Pelo Twitter, Dilma comemora aprovação do Marco Civil da Internet O Marco Civil define os direitos e deveres de usuários e provedores de serviços de conexão e aplicativos na internet

Agência Brasil

Publicação: 26/03/2014 12:09 Atualização:

A presidente Dilma Rousseff comemorou nesta quarta-feira (26/3) a aprovação do Marco Civil da Internet (PL 2.126/11) pela Câmara dos Deputados na noite dessa terça-feira (25/3) e disse que o projeto mostra o protagonismo do Brasil nas discussões sobre a rede mundial.

Dilma: o Marco Civil é uma ferramenta da liberdade de expressão, da privacidade do indivíduo (Ueslei Marcelino/Reuters)
Dilma: o Marco Civil é uma ferramenta da liberdade de expressão, da privacidade do indivíduo

“A aprovação do Marco Civil da Internet pela Câmara dos Deputados é uma vitória de toda a sociedade brasileira. O projeto mostra o protagonismo do Brasil em um tema que o mundo debate: a segurança, a privacidade e a pluralidade na rede”, escreveu Dilma há pouco em seu perfil no Twitter.

O Marco Civil define os direitos e deveres de usuários e provedores de serviços de conexão e aplicativos na internet. A aprovação abre caminho para que os internautas brasileiros possam ter garantido o direito à privacidade e à não discriminação do tráfego de conteúdos. “O Marco Civil é uma ferramenta da liberdade de expressão, da privacidade do indivíduo e do respeito aos direitos humanos”, escreveu Dilma no microblog.

Entre os principais pontos da proposta estão a garantia do direito à privacidade dos usuários, especialmente à inviolabilidade e ao sigilo de suas comunicações pela internet. Atualmente, as informações são usadas livremente por empresas que vendem esses dados para os setores de marketing ou vendas.

Leia mais notícias em Política

Os provedores não poderão fornecer a terceiros as informações dos usuários, a não ser que haja consentimento do internauta; os registros constantes de sites de buscas, os e-mails, entre outros dados, só poderão ser armazenados por seis meses. O projeto também define os casos em que a Justiça pode requisitar registros de acesso à rede e a comunicações de usuários.

De acordo com o Marco Civil do setor, as empresas não poderão limitar o acesso a certos conteúdos ou cobrar preços diferenciados para cada tipo de serviço prestado. Antes da votação, o governo recuou e aceitou alterar alguns pontos considerados polêmicos por parlamentares da oposição e da base aliada. O principal deles é o princípio da neutralidade de rede que assegura a não discriminação do tráfego de conteúdos.

Após negociação, os deputados acordaram que a regulamentação deste trecho da lei caberá a um decreto da Presidência da República, depois de consulta à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e ao Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI). Também caiu a obrigatoriedade das empresas provedoras de conexão e aplicações de internet de manterem em território nacional estrutura de armazenamento de dados, os chamados data centers. O texto agora segue para o Senado e, caso seja aprovado, vai para sanção presidencial.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Sabrina Moreira
porque segurança mesmo é só no mundo virtual... | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas