política
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Aprovado projeto que prevê urgência para análise de acordos internacionais Isso vai permitir que acordos importantes assinados pelo Brasil com a comunidade internacional sejam validados legalmente pelo Congresso com maior celeridade

Agência Brasil

Publicação: 26/03/2014 20:17 Atualização:

O plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira (26/3), em primeiro turno, projeto de lei complementar que permite a aplicação do regime de urgência para a tramitação de mensagens presidenciais que tratam de acordos internacionais. Isso vai permitir que acordos importantes assinados pelo Brasil com a comunidade internacional sejam validados legalmente pelo Congresso com maior celeridade.

Atualmente, um acordo internacional firmado pelo Poder Executivo tem de ser ratificado pelo Congresso Nacional. Sem o regime de urgência, alguns acordos levam anos para ser analisados, ficando sem eficácia prática porque não têm força de lei em território brasileiro.

Leia mais notícias em Política

O texto original do projeto previa que os acordos passariam a ser analisados apenas pelo Senado, mas o relator, senador Jorge Viana (PT-AC), considerou que a matéria poderia ser rejeitada na Câmara porque os deputados perderiam a prerrogativa que têm hoje de votar essas matérias.

Por isso, o texto aprovado hoje em primeiro turno prevê apenas a possibilidade de regime de urgência a ser pedido pela Presidência da República, pelo Senado ou pela Câmara. O texto ainda precisa ser votado em segundo turno antes de seguir para análise da Câmara dos Deputados.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas