política
  • (4) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Governo prepara ofensiva para ampliar investigações na CPI da Petrobras Governo quer incluir outros cinco assuntos na investigação da Petrobras. Oposição critica a estratégia do Planalto

Paulo de Tarso Lyra - Correio Braziliense

Publicação: 29/03/2014 06:09 Atualização:


O Porto de Suape, em Pernambuco, é um dos pontos que governistas desejam incluir na CPI da Petrobras (Júlio Jacobina/DP/D.A Press - 19/12/08)
O Porto de Suape, em Pernambuco, é um dos pontos que governistas desejam incluir na CPI da Petrobras


O governo conta com pelo menos 40 assinaturas no Senado e o apoio maciço da base parlamentar na Câmara para ampliar o escopo da CPI da Petrobras a ponto de inviabilizar qualquer trabalho da comissão. A estratégia, discutida na quarta-feira à noite pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), com o chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, é incluir na CPI cinco pontos de investigação: Porto de Suape (PE); refinaria Abreu e Lima (PE); Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig); caso Alstom, que envolve o metrô de São Paulo; e a gestão do PSB de Eduardo Campos à frente do Ministério da Ciência e Tecnologia nos oito anos de governo Lula.

Leia mais notícias de Cidades

 A ideia é apresentar o requerimento para uma CPI ampliada já na terça-feira, quando Renan deve ler a proposta de investigação da Petrobras, com 29 assinaturas, protocolada pela oposição na última quinta-feira. Com isso, os governistas acreditam que vão pressionar a oposição a “sair da toca”. “Teve muita gente valente nessas duas últimas semanas. Veremos o tamanho dessa valentia agora”, afirmou um senador aliado. Antes mesmo da posse como ministro da articulação política (veja mais na página 4), o deputado Ricardo Berzoini (PT-SP) tem articulado intensamente para que a Câmara também apoie a proposta. “Vamos conversar com a bancada. Mas eu acho ruim você abrir demais a investigação sem ter um foco. Isso desmoraliza o Congresso”, protestou o líder do PR na Câmara, Bernardo Santana (MG).

O líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha (RJ), também é reticente, embora reconheça que se renderá à decisão dos deputados do PMDB. “Se abrir para a Cemig, daqui a pouco vão querer investigar Eletrobras e outras empresas do setor elétrico. CPI sempre é uma dor de cabeça”, completou ele. O presidente nacional do PP, senador Ciro Nogueira (PI), afirma que ainda há muita especulação sobre a proposta. Mas não se mostra contrário à ampliação das investigações. “Tudo o que vier para contribuir no esclarecimento dos fatos, melhor”, ponderou.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (4) comentários

Autor: paulo Vaz
Povo brasileiro a CPI DA PETROBRAS, deve incluir também : Descobrimento do Brasil; Morte do Tiradentes; Proclamação da República em 1989; Transferência da Capital do Rio para Brasília ;Urna Eletrônica , enfim tudo que deixou ou deixa dúvida no POVO BRASILEIRO ! Apurar tudo em nome Povo Brasileiro! | Denuncie |

Autor: Tarcísio Silva
É aquela antiga prática das máfias; ou vocês se calam diante dos nossos crimes ou nós denunciamos os de vocês. Infelizmente, é esta a regra do jogo político em que vivemos. Temos que mudar tudo isto, URGENTE! | Denuncie |

Autor: Paulo Costa
E, nossos Ministros do SPTF com "notória obediência e condescendência" com o Partido das Trevas não qualifica o bando como quadrilha organizada!!! | Denuncie |

Autor: Paulo Costa
A quadrilha já está atuando com o objetivo de ampliar e dissipar a responsabilidade dos PeTralhas e de seus aliados no fato específico, quer seja: desvios, falcatruas, negociatas, prejuízos à Empresa, envolvimento de "cumpanheiros". Um absurdo!! | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas