política
  • (4) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Em tempo de cortes de gastos, Congresso gastará R$ 209 mi a mais que 2013 O orçamento da Câmara e do Senado saltou de R$ 8,51 bilhões em 2013 para R$ 8,72 bilhões em 2014

Naira Trindade

Andre Shalders - Correio Braziliense

Publicação: 29/03/2014 08:00 Atualização:


Protesto em frente ao Congresso: apesar de os gastos da Câmara e do Senado não estarem conectados, ambos tiveram acréscimo nos custos (Iano Andrade/CB/D.A Press - 26/6/13)
Protesto em frente ao Congresso: apesar de os gastos da Câmara e do Senado não estarem conectados, ambos tiveram acréscimo nos custos


O clima de pessimismo em relação à economia passa longe do Congresso, pelo menos no que tange ao corte de gastos. É o que mostra um levantamento feito pelo Correio com base em dados do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi) por meio do portal Siga Brasil. Em conjunto, o orçamento da Câmara e do Senado saltou de R$ 8,51 bilhões em 2013 para R$ 8,72 bilhões em 2014 — um aumento de pouco mais de R$ 209 milhões. Nem mesmo o corte anunciado pela presidente Dilma em fevereiro conseguiu ajustar as contas do parlamento à realidade do país. Mesmo após o contingenciamento, o aumento será pouco mais de R$ 79 milhões. Esse valor, entretanto, costuma crescer ao longo do ano, com a abertura dos chamados créditos suplementares.

Leia mais notícias de Política

A montanha de dinheiro gasta pelo Congresso salta aos olhos mesmo se comparada à de outros órgãos da administração pública federal. Somados, os orçamentos autorizados para as duas Casas superam o da maioria dos ministérios. Em 2014, o parlamento poderá gastar 2,6 vezes a mais que o investido no Ministério da Cultura, ou 3,7 vezes mais que o aportado no Ministério do Esporte. O orçamento autorizado para o Congresso é ainda quase seis vezes maior que o do Ministério do Turismo, por exemplo. “Nós fizemos um levantamento recentemente mostrando que o Congresso brasileiro é o mais caro do mundo, em custo per capita. E o problema nem é só custar muito, é que a produção é muito ruim. A fiscalização sobre o Executivo, por exemplo, é pífia”, comenta o economista e diretor da ONG Transparência Brasil, Cláudio Abramo.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (4) comentários

Autor: Alvaro Brito
Falara mal do Congresso e fácil, o difícil e meter as caras e tentar se eleger! | Denuncie |

Autor: lazaro almeidaq
DIZ O CAÇADOR DE MARAJÁ RENANM, QUE ESTÁ ECONOMIZANDO, PELO QUE VEJO SÓ CORTE DOS GASTOS FUNCIONÁRIOS PARA GASTAR MAIS EM TEMPO DE ELEIÇAO, AINDA DIZ SER MORALISTA. COMO? | Denuncie |

Autor: henrique gomes
É este congresso que vc. quer para o ano que vem? Vamos mudar esta situação? | Denuncie |

Autor: José A. S. Neto
Ueh ! ! ! Cortes mas só no EXECUTIVO ! ! ! legislativo e JUDICIÁRIO são livres disso - - - -> sempre foram -----> sempre tiuveram oas maiores salários e todas as regalias possíveis e imagináveis ! ! ! UM FAZ AS LEIS ------> o outro manda cu8mprir - - -> que dizer, os outros cumprirem ! ! ! | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas