política
  • (2) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Oposicionistas querem ouvir ex-presidente da Petrobras mesmo sem CPI Oposição na Câmara vota hoje cinco requerimentos para convocar ex-presidente da Petrobras e quer ouvir ex-diretor preso pela PF

João Valadares

Publicação: 23/04/2014 06:00 Atualização:

A comissão externa da Câmara criada para investigar a suspeita de pagamento de propina a funcionários da Petrobras quer ouvir Paulo Roberto Costa, ex-diretor da estatal detido em março (Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados)
A comissão externa da Câmara criada para investigar a suspeita de pagamento de propina a funcionários da Petrobras quer ouvir Paulo Roberto Costa, ex-diretor da estatal detido em março


Enquanto a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber estuda se aprova ou não uma CPI exclusiva para apurar denúncias de corrupção na Petrobras, os oposicionistas se anteciparam e lançaram ofensiva na Câmara para ouvir o ex-presidente da estatal José Sergio Gabrielli. Cinco requerimentos em quatro comissões diferentes pedindo o comparecimento do petista vão ser votados hoje. Ontem, em mais uma ação para minar a manobra governista que visa esvaziar a CPI, membros da comissão externa da Casa criada para investigar suspeita de pagamento de propina a funcionários da Petrobras pela empresa holandesa SBM Offshore decidiram encaminhar à Justiça Federal pedido para ouvir o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, que está preso em Curitiba.

A mesma comissão aprovou ontem requerimento para que o Tribunal de Contas da União (TCU) fiscalize os contratos de fretamento considerados suspeitos entre a empresa Astramarítima e a Petrobras. No documento, foi aprovado o convite ao presidente da companhia, Renato Cabral, para que ele preste esclarecimentos na Câmara. Há seis contratos, todos assinados no ano passado, no valor de R$ 490 milhões.

Paulo Roberto Costa era responsável pela Diretoria de Abastecimento e Refino da Petrobras. Ele está preso desde março na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba e deve ser transferido para o presídio federal de Catanduvas, no Paraná. A Operação Lava-Jato apontou que ele e o doleiro Alberto Youssef, também preso em Curitiba, atuavam juntos. Os dois e mais 43 pessoas foram indiciados por lavagem de dinheiro, evasão de divisas, formação de quadrilha e falsidade ideológica. Segundo a PF, a organização integrada pela dupla é suspeita de movimentar R$ 10 bilhões.

Os requerimentos para convocação de Gabrielli foram protocolados nas Comissões de Fiscalização Financeira e Controle; Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio; Relações Exteriores e Defesa Nacional e também na de Segurança Pública. Foram protocolados pelos deputados Mendonça Filho (DEM-PE), Fernando Francischini (PR), líder do Solidariedade, Vanderlei Macris (PSDB-SP) e Duarte Nogueira (PSDB-SP).

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (2) comentários

Autor: josé medeiros
Triste país onde a discussão política sobre o cargo importante apenas se trata de saber que uma S/A com capital público foi lesada ou não! | Denuncie |

Autor: antonio seabra
Essa oposição dia a dia mostra pro brasil que nao tem nada pra fazer, além da falta de propostas para o brasil desenvolver. Querem fazer da petrobrás seu palanque eleitoral esses anti- patriotas deviam arrumar emprego com carteira fichada tem muito no brasil nos ultimos 10 anos. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas