política
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Presidente da Câmara promete agilizar investigação contra o deputado Argôlo Apesar de considerar o caso uma "exceção", Henrique Alves reconheceu que o parlamentar desgasta a imagem da Casa

Agência Brasil

Publicação: 08/05/2014 12:47 Atualização:

Com o surgimento de mais uma denúncia contra o deputado Luiz Argôlo (SDD-BA) - o uso de verba parlamentar para contratar empresa supostamente ligada ao doleiro Alberto Youssef, preso na Operação Lava Jato, da Polícia Federal -, o presidente da Câmara, deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), disse nesta quinta-feira (8/5) que vai agilizar as investigações abertas contra o parlamentar baiano.

O deputado Luiz Argôlo (SDD-BA) teria um elo com a empresa União Brasil Transportes e Serviços, com sede na Bahia (Elza Fiúza/ABr)
O deputado Luiz Argôlo (SDD-BA) teria um elo com a empresa União Brasil Transportes e Serviços, com sede na Bahia

“Falei com o corregedor [deputado Átila Lins (PSD-AM)], e pedi que agilizasse os prazos. O deputado [Argôlo] terá cinco dias regimentais para apresentar a defesa e, imediatamente, virá o parecer da Corregedoria. Em seguida levarei [a decisão] à Mesa em 24 horas. Esse caso não pode perdurar do jeito que está”, criticou Alves.

Apesar de considerar o caso uma “exceção”, Henrique Alves reconheceu que ele desgasta a imagem da Casa. “Ninguém pode achar que aqui todos tenham atitudes assim. Aqui, acolá, cometem equívocos e a Casa tem que ser exemplar no seu ato de punir e repreender. Vamos apurar, o parlamentar terá o direito de defesa e a Casa tem que ser rápida no poder de apuração e na sua decisão.”

Leia mais notícias em Política

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, o deputado Luiz Argôlo usou ao menos R$ 30 mil da chamada cota para exercício da atividade parlamentar da Câmara para contratar a empresa União Brasil Transportes e Serviços, com sede no município baiano de Alagoinhas. A empresa seria o elo financeiro com o doleiro Alberto Youssef.

Além disso, segundo o jornal, três ex-assessores do deputado baiano constam como sócios da empresa. Ontem (7), o PSOL protocolou no Conselho de Ética da Câmara representação por quebra de decoro parlamentar contra Argôlo por envolvimento com o doleiro. Com isso, caso decida renunciar, o deputado será enquadro na Lei da Ficha Limpa e ficará inelegível por, pelo menos, oito anos.

A investigação na Corregedoria que apura o envolvimento de Argôlo com Alberto Youssef esbarra na dificuldade de encontrar o deputado no gabinete para notificá-lo sobre o pedido de investigação apresentado pelo deputado Rubens Bueno (PPS-PR). Ante o fracasso das tentativas, a Corregedoria vai fazer a notificação por Diário Oficial da União.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: dimas moreira
A conversa de que há dificuldade para encontrar o deputado é só para empurrar o caso com a barriga e ganhar tempo. Quando querem, encontram rapidamente um desconhecido ladrão de galinhas. Mas um deputado ... aí... nem vendo o vídeo... conseguem enxergar onde o mesmo está. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas