política
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Presidente Dilma defende salário igual para mulheres e negros No próximo dia 3, a secretaria-geral promoverá um seminário entre os membros dos comitês que acompanharão o andamento das obras

Agência Brasil

Publicação: 15/05/2014 20:29 Atualização: 15/05/2014 20:33

Ao participar de ato que celebrou o compromisso com empregadores e centrais sindicais para a melhoria das condições de trabalho durante a Copa do Mundo, a presidenta Dilma Rousseff defendeu que a promoção do trabalho decente não deve ser levantada apenas durante o Mundial.

Para a presidenta, a Copa é um momento especial para que sejam exibidos os avanços da sociedade brasileira sobre o tema. “Em épocas passadas, não tínhamos de fato trabalho decente aqui no Brasil, qualquer emprego bastava, qualquer ocupação servia. Muitas vezes, as pessoas viviam no trabalho informal”, declarou a presidenta durante a cerimônia.

Segundo Dilma, os principais desafios para o trabalho decente no Brasil passam pela maior qualificação e condições igualitárias de emprego e renda. “No caso das mulheres, nós sempre devemos lembrar da necessidade de lutar por salário igual para trabalho igual. Para nossa população negra, é muito importante que tenhamos foco nessa questão, [e também em] um combate sem tréguas ao trabalho escravo e ao racismo”, completou.

Leia mais notícias em Política

O evento de hoje marcou a assinatura de empresas e trabalhadores a dois compromissos que visam ao desenvolvimento de iniciativas de aperfeiçoamento das condições de trabalho, de combate ao trabalho infantil e contra a exploração sexual de crianças e adolescentes. Eles terão até 31 de agosto para promoverem medidas que assegurem a qualidade dos empregos, a economia solidária e a segurança e a saúde no trabalho.

Segundo o assessor especial José Lopez Feijóo, da secretaria-geral da Presidência, cerca de 1,5 mil entidades já aderiram ao compromisso, e há a expectativa que, ao todo, 6 mil instituições o façam.

No próximo dia 3, a secretaria-geral promoverá um seminário entre os membros dos comitês que acompanharão o andamento das obras. Para Dilma, esse método de diálogo com os setores trabalhistas e representantes dos funcionários, como a própria Central Única dos Trabalhadores, mostra que o governo não evita os problemas, mas busca o caminho da solução.

Ao defender mais uma vez que o Mundial será a “Copa das Copas”, a presidenta disse que a competição deixará aos brasileiros um legado que não poderá ser levado por nenhum turista de volta a seus países. “O que eles podem levar na mala? É a garantia e a certeza de que este é um país alegre e hospitaleiro. Pode levar isso na mala. Agora, os aeroportos ficam para nós, as obras de mobilidade ficam para nós, os estádios ficam pra nós”, declarou Dilma, que disse ser essa a questão central do Mundial.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Marcus Borges
Quando teremos um presidente que enxergue a distorção salarial que existe entre os poderes.Há décadas existe esta falta de respeito com os servidores do executivo.Devemos eleger um trabalhador, e não sindicalistas que nunca trabalharam. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas