política
  • (3) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Copa não deve causar aumento da exploração sexual, segundo ministra De acordo com Ideli Salvatti, a chegada de estrangeiros para o Mundial não deve ser motivo de "pânico"

Agência Brasil

Publicação: 27/05/2014 13:58 Atualização:

A ministra da Secretaria Especial de Direitos Humanos, Ideli Salvatti, disse nesta terça-feira (27/5) que a Copa do Mundo não deve levar ao aumento da exploração sexual de crianças e adolescentes no país. Segundo ela, a expectativa pela chegada de turistas estrangeiros para o Mundial não deve ser motivo de “pânico”, pois outros eventos do calendário nacional atraem número ainda maior de pessoas de outros países.

“São eventos que Brasil faz todo ano”, destacou, ao elencar a Parada LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transgêneros) em São Paulo, o carnaval em Salvador e no Rio de Janeiro, o réveillon carioca e o Círio de Nazaré, em Belém. “Precisamos ter clareza que sob alguns aspectos a Copa não tem que ficar causando esse pânico porque o Brasil tem estrutura para dar conta de grandes eventos.”

Leia mais notícias em Política

O assunto foi debatido em um seminário, da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, marcado para discutir o impacto das grandes obras na incidência deste tipo de crime. No debate, Ideli Salvatti voltou a destacar resultados do Disque 100 e ações de fortalecimento de conselhos tutelares. A ministra reiterou que serão contratados 25% mais atendentes do Disque 100 para reforçar o serviço no período da Copa. Atualmente, 300 pessoas fazem parte da equipe. Além disso, o governo vai entregar 2 mil equipamentos para fortalecer o trabalho dos 5.933 conselhos tutelares do país.

Ideli Salvatti ressaltou ainda que a população precisa participar dessa rede de proteção, denunciando casos de abuso. “É um crime difícil de combater porque, na maioria das vezes, ocorrem dentro de casa. A vizinhança e os professores são agentes importantes”, completou.

A presidenta da CPI, deputada Erika Kokay (PT-DF), provocou o debate sobre os casos envolvendo crianças e adolescentes em municípios onde ocorrem grandes obras como o da Hidrelétrica de Santo Antônio, em Porto Velho (RO). Segundo ela, nessas cidades a população masculina quase triplica no período das construções e, em audiências anteriores do colegiado (criado em fevereiro de 2012), foi possível constatar que há relação entre esses empreendimentos e o aumento de registros da prática criminosa.

“Os casos de estupro aumentaram mais de 200% em Santo Antônio. Há um deslocamento das rotas que passam a ter novos destinos com essas obras”, explicou. Erika Kokay informou que a CPI vai propor um marco legal a fim de estabelecer condicionantes para as grandes obras, propondo que os responsáveis se comprometam a fortalecer conselhos tutelares e políticas de proteção de crianças e adolescentes.

Esta matéria tem: (3) comentários

Autor: silverio torres correia
Acredito piamente nas palavras dessa ministra!!!!!!!!! | Denuncie |

Autor: Horst Mohn
Realmente , senhora Ministra, o Brasil tem estrutura para dar conta de grandes eventos, como hotéis afastados em beira de estradas secundárias, motéis, moitas, casas de massagens, pousadas irregulares em vias movimentadas, setores comerciais sem qualquer movimentação durante a noite e muito mais. | Denuncie |

Autor: Horst Mohn
Ok, senhora ministra. Se a senhora está com tanta certeza do que diz, então combine com os turistas europeus, australianos e norte-americanos e avise-lhes de que, nesta Copa do Mundo, eles não poderão comer ninguém. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

:: Publicidade



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas