política
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Comissão quer votar mudanças no Código de Processo Civil antes do recesso Para o relator da comissão, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) trata-se de uma matéria palpitante, que importa a todo o país

Agência Brasil

Publicação: 03/06/2014 14:29 Atualização:

Depois de ser debatido no Senado e de tramitar três anos na Câmara dos Deputados, nesta terça-feira (3/6) o Senado criou uma comissão especial para analisar o Projeto de Lei (PLS 166/2010) que altera o Código de Processo Civil (CPC). Desta vez, os senadores vão se debruçar sobre as mudanças feitas pelos deputados no texto original do Senado.

A proposta cria mecanismos para simplificar os processos e acelerar as decisões da Justiça, eliminando parte dos recursos que hoje são permitidos. O texto também muda o processo de ações de família, introduz instrumentos para ampliar a segurança das empresas e regulamenta a gratuidade da Justiça.

Para o relator da comissão, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) trata-se de uma matéria palpitante, que importa a todo o país. Além de Vital, que pretende votar o relatório final da comissão até o dia 16 de julho, um dia antes do início do recesso parlamentar, a comissão terá os senadores José Pimentel (PT-CE) e Antônio Carlos Valadares (PSB-SE), como presidente e vice-presidente, respectivamente.

Na redação final do substitutivo, a comissão terá apoio de um grupo de juristas presidido pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal. Fux também havia ocupado a função no grupo de especialistas que redigiu o anteprojeto para o Senado.

Leia mais notícias em Política

Fux estima que caia em cerca de 70% o tempo de duração dos processos nos chamados contenciosos de massa, em que milhares de cidadãos acionam a Justiça por um mesmo objetivo, com argumentos semelhantes. No caso de causas comuns, a expectativa do ministro é ainda mais otimista: redução pela metade do tempo. “Hoje muito se reclama da duração processos, e o novo código será a garantia, para os brasileiros, do prazo razoável, respeitadas todas as garantias legais”, destacou o ministro.

O deputado Paulo Teixeira (PT-SP), que foi relator da proposta na Câmara, lembrou que este será o primeiro Código de Processo Civil a ser adotado num regime democrático. Os dois anteriores, de 1939 e o atual de 1973, foram feitos durante regime autoritários.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas