política
  • (3) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Câmara e Senado vão debater propostas que visam maior rigor no Código Penal Entre outras medidas, pacote aumenta pena para determinados crimes

Renata Mariz

Publicação: 05/06/2014 06:03 Atualização: 05/06/2014 08:13

Responsáveis pela segurança nos estados do Sudeste sugeriram 20 ideias antiviolência aos parlamentares (Givaldo Barbosa/Agência O Globo)
Responsáveis pela segurança nos estados do Sudeste sugeriram 20 ideias antiviolência aos parlamentares


Depois de apresentarem 20 propostas de combate à criminalidade no Congresso Nacional, os secretários de Segurança Pública do Sudeste receberam dos presidentes do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), a promessa de que as questões serão debatidas no parlamento. O pacote antiviolência inclui aumento de pena para determinados crimes, como furto com uso de explosivo; eleva de 3 para 8 anos o tempo máximo de internação de jovens infratores; prevê como regra a videoconferência para interrogatório de réus presos, entre outras alterações.

Para José Mariano Beltrame, secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, caso as mudanças não sejam feitas, a polícia continuará “enxugando gelo”. Questionado sobre a contrariedade já mostrada pelo governo em aumentar penas como forma de combater a criminalidade, especialmente com um sistema prisional e socioeducativo falidos, o secretário foi enfático. “Enquanto o Estado não arruma o sistema, deixaremos os indivíduos na rua? Se sim, tudo bem. Mas a sociedade precisa saber que fez essa opção, que não é a polícia ou o delegado que não prende”, diz. “Em delegacias, 80% das pessoas não são presas, porque é facultado a elas sair.”

Leia mais notícias em Política

Secretário de Defesa Social de Minas Gerais, Rômulo Ferraz afirmou que, nos últimos anos, a despeito do aumento de produtividade das polícias, a criminalidade aumenta. “Há um notório processo de impunidade”, afirmou. Ele é contra a “pura redução da maioridade penal”, mas alertou que a proposta apresentada pelo grupo flexibiliza o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) somente em casos de atos infracionais equivalentes a crimes hediondos. Ferraz defendeu ainda a obrigatoriedade de a Anatel bloquear definitivamente aparelhos de telefone móvel furtados ou roubados, caso a vítima concorde. “Hoje, 36% dos roubos no estado são de celular.”

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (3) comentários

Autor: jose manoel mendes
Se é para mudar, então mude. acabem com diversos benefícios. o Estado passaria a deslocar os elementos para frente de Trabalho,(no reg. semi-aberto) como por exemplo: trabalhar na coleta de lixo, como coveiros, pintar meio fios, plantar gramas, limpar pichações. melhora e muito o pensamento do preso. | Denuncie |

Autor: Frederico Melo
E quem disse que estas duas casas representam os anseios da população? E quem disse que estas duas casas têm competência para criar leis? | Denuncie |

Autor: Wanderglaydson Jackson
Até que enfim. Tem que tratar bandido, como bandido e não ficar dando conforto pra eles. Nada de "visitas íntimas" e tem que trabalhar para pagar o custo da prisão. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas