política
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Greves agravam problemas no Brasil às vésperas da Copa do Mundo Hoje, manifestantes sem-teto prometem dificultar o acesso ao Estádio do Morumbi, onde a Seleção Brasileira faz o último amistoso antes do torneio

Renata Mariz

Publicação: 06/06/2014 07:27 Atualização: 06/06/2014 08:18

Metroviários decidem, na manhã de quinta-feira, paralisar as atividades: falta de transporte afeta 4,6 milhões de usuários e sobrecarrega o trânsito na cidade de abertura da Copa (Paulo Iannone/Sindicato dos Metr)
Metroviários decidem, na manhã de quinta-feira, paralisar as atividades: falta de transporte afeta 4,6 milhões de usuários e sobrecarrega o trânsito na cidade de abertura da Copa
 

A uma semana da Copa do Mundo, o estado que receberá 15 delegações, além de milhares de turistas, teve um dia problemático na capital. E os transtornos, que não pouparam nem integrantes da Fifa, devem continuar, já que metroviários decidiram, na noite de ontem, manter a greve. Logo de manhã, a cidade de São Paulo registrou o maior congestionamento do ano — foram 204km de lentidão. Houve quebra-quebra em uma estação de metrô, bate-boca entre dirigente e sindicalista, além de muita dificuldade para 4,6 milhões de usuários do transporte público. Agentes de trânsito também cruzaram os braços. E o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) ameaça dificultar o acesso ao Estádio do Morumbi nesta sexta, quando o Brasil joga com a Sérvia, às 16h, no último amistoso antes do Mundial.

O entrave entre metroviários, que querem aumento de 12,2%, e representantes do Metrô, cuja oferta chega ao índice máximo de 8,7%, não foi vencido nem com uma audiência na Justiça. Vice-presidente do Tribunal Regional do Trabalho, a desembargadora Rilma Aparecida Hemetério advertiu as partes de que, se não houver consenso, a legalidade da greve será julgada. A Corte avaliará se os funcionários desrespeitaram decisão liminar, proferida na quarta-feira, que determinou circulação de 100% dos trens nos horários de pico — das 6h às 9h e das 16h às 19h — e 70% nos demais períodos.

Se a paralisação for considerada abusiva, as punições vão desde a aplicação de multa diária de R$ 100 mil ao sindicato, além de descontos dos dias parados, até demissão por justa causa. A sessão que julgará o movimento está marcada para a tarde de hoje.

Leia mais notícias em Política

Em entrevista ao vivo no programa Bom Dia São Paulo, o secretário estadual dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, e o vice-presidente do Sindicato dos Metroviários de São Paulo, Alex Fernandes, trocaram acusações. Jurandir disse que os grevistas deixaram a paralisação para as vésperas da Copa. Alex acusou a secretaria de estar “alamada na corrupção”. Em declarações à imprensa, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse que a greve dos metroviários é motivada por questões políticas. Ele considerou a mobilização “sem o menor sentido”.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Diniz DINIZ
Abusivo é um juiz de seu trono dizer que os TRABALHADORES devem estar 100% presentes em uma greve! Judiciário é uma aristocracia no Brasil. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas