política
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Seleções da Colômbia e da Alemanha resistem à presença de militares Na chegada ao Brasil, delegações consideraram exagerada a proteção das Forças Armadas e pedem a retirada dos homens dos Centros de Treinamento. Receio é que eles sejam espiões e deixem as equipes tensas

Grasielle Castro - Correio Braziliense

Publicação: 10/06/2014 06:05 Atualização: 10/06/2014 08:17

A seleção da Alemanha ficou incomodada com a proteção (Patrik Stollarz/AFP)
A seleção da Alemanha ficou incomodada com a proteção


Ao desembarcar no Brasil e seguir para o Centro de Treinamento do São Paulo, em Cotia, na região metropolitana da capital paulista, a seleção da Colômbia fez um pedido inusitado. Exigiu que a Federação Internacional de Futebol (Fifa) expulsasse os militares que faziam a segurança das equipes com os policiais da entidade no CT. Os homens das Forças Armadas deixaram o local ainda no sábado, dia em que os colombianos chegaram. A seleção da Alemanha também ficou incomodada com a proteção. Os alemães se mostraram resistentes e pediram para não ter nenhum militar no Campo Bahia, resort projetado para hospedar a delegação do país europeu.

A preocupação das delegações é de que esses militares sejam espiões, analisem a tática dos jogos e passem as informações adiante, além de que eles representam um elemento adicional de pressão para os jogadores. Outro receio é que esses homens se tornem figuras de intimidação desnecessária. Para o técnico da Colômbia, Jose Pekerman, sem o Exército, os jogadores ficarão mais à vontade e poderão manter em segredo a estratégia de luta por um título para a nação — que volta a disputar o Mundial após 16 anos. A privacidade dos atletas também está sendo preservada por um isolamento que não permite que a torcida veja o campo. A segurança interna está a cargo de homens da Fifa e de agentes contratados no Brasil pela seleção. Na entrada do CT, uma base da Polícia Militar controla o perímetro.

Leia mais notícias em Política

De acordo com informações obtidas pelo Correio, a resistência não agradou às Forças Armadas. Em um dos casos, o comando chegou a pedir que os militares voltassem e fizessem a segurança à força. Mesmo fora dos locais onde as equipes vão treinar, os homens ainda atuam. Eles fizeram a varredura para verificar a presença de agentes químicos, biológicos, radioativos e nucleares e colaboram a distância. O contingente das Forças Armadas está de prontidão.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Rodrigo Lopes
Se estamos prontos, preparados para a Copa, se em todas as sedes, locais de treino e cidades próximas, anda-se como se andaria em qualquer lugar do mundo (garantem os políticos!), por quê a presença das Forças Armadas?! Todos estão se cagando de medo de alguma coisa dar errado!!! | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas