política
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Dono da Labogen nega que Alberto Youssef seja sócio da empresa Ele admitiu, porém, que o doleiro investiu R$ 3 milhões, no período de três anos, como um dos investidores na construção da nova planta da Labogen

Agência Brasil

Publicação: 02/07/2014 13:22 Atualização: 02/07/2014 13:35

Um dos sócios do laboratório Labogen Leonardo Meirelles disse nesta quarta-feira (2/7), em depoimento no Conselho de Ética da Câmara, que Alberto Youssef, preso durante a Operação Lava Jato, não tem participação societária na empresa. Ele admitiu, porém, que o doleiro investiu R$ 3 milhões, no período de três anos, como um dos investidores na construção da nova planta da Labogen, concluída em fevereiro deste ano.

“Youssef nunca foi meu sócio e não é meu sócio”, destacou. Meirelles admitiu ainda que, entre 2009 e 2011, o doleiro usou a conta do laboratório para operações com empresas estrangeiras. Ele assumiu também que Youssef recebia comissão equivalente a 1% dos negócios fechados. A declaração foi dada alguns minutos depois de o sócio ter declarado que a empresa ficou fora de atividade entre 2008 e 2010. “Fiquei sem atividade, mas tinha outros negócios.”

Segundo ele, a empresa mantinha operações de exportações mesmo antes de conhecer Youssef. “Importava insumo farmacêutico. Importei e vendi para terceiros”, explicou. “O conheço [Youssef] há quatro anos e ele sabia desse projeto e estava em busca de investidores e em determinado momento nos apresentou um grupo de investimentos.”

Leia mais notícias em Brasil

Ao ser perguntado pelo relator do processo que investiga a relação entre o deputado André Vargas (sem partido-PR) e Youssef, deputado Júlio Delgado (PSB-MG), sobre o objetivo do doleiro no uso da conta da empresa, Meirelles se recusou a responder. Orientado pelo advogado, o sócio da Labogen não assinou o termo de compromisso que o obrigava a responder todas as perguntas feitas no colegiado antes do depoimento começar.

Meirelles é réu em oito processos na Justiça de Curitiba a respeito dos assuntos relacionados à representação analisada no Conselho de Ética da Câmara. O Conselho de Gestão da Labogen se reunia todas as segundas-feiras. Meirelles afirmou que Youssef participou de alguns encontros, mas apenas como investidor.

A Polícia Federal (PF) investiga se o laboratório é uma empresa de fachada do doleiro. Vargas é acusado de atuar em favor do Labogen na assinatura de um contrato de cinco anos com o Ministério da Saúde que previa investimento de mais de R$ 130 milhões."Nunca houve acerto financeiro com o parlamentar", assegurou Meirelles, afastando as suspeitas de que Vargas se beneficiou do negócio.

O dono da empresa reconheceu, porém, que Vargas intermediou o contato da Labogen com o Ministério da Saúde. “A tratativa foi com deputado para quem coloquei que era um bom projeto para o país e que tínhamos condições de fazer dentro do prazo e fomos encaminhados para Secretaria de Insumos Estratégicos do ministério”, explicou.

Segundo ele, o contato com o secretário de Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde, Carlos Gadelha, e o então ministro da Saúde, Alexandre Padilha, só ocorreu durante a assinatura do contrato. Os ajustes, segundo Meirelles, foram tratados por Marcos Moura, contratado em dezembro de 2013 como assessor de Assuntos Institucionais da pasta, em Brasília.

Meirelles informou que a Labogen é uma empresa operacional atualmente, com um passivo de R$ 24 milhões. A dívida da empresa quando foi comprada por Meirelles, em maio de 2008, chegava a R$ 54 milhões.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

PUBLICIDADE

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas