política
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Candidata a reeleição, Dilma intensifica agenda política no Rio de Janeiro Estado tem forte apoio do PMDB local, que não abre mão de ficar ao lado de Aécio Neves

Paulo de Tarso Lyra - Correio Braziliense

Grasielle Castro - Correio Braziliense

Publicação: 25/07/2014 08:10 Atualização:

A presidente Dilma Rousseff atuou nessa quinta-feira (24/7) em duas frentes para tentar diminuir os problemas políticos que enfrenta nos estados e com os partidos aliados. Após participar do velório do escritor Ariano Suassuna, no Recife, a petista voou para o Rio de Janeiro, onde se encontrou com o governador do estado, Luiz Fernando Pezão (PMDB), candidato à reeleição. Enquanto isso, em Brasília, o coordenador da agenda eleitoral de Dilma, Giles Azevedo, reuniu prefeitos aliados de mais de 20 cidades, incluindo algumas capitais, para medir a popularidade da presidente e planejar agendas locais a partir de agosto.

Dilma e os coordenadores de campanha sabem que a situação não está fácil. Mesmo líder nas pesquisas de intenção de voto, a presidente enfrenta problemas em grandes colégios eleitorais do Sudeste e em outras cidades espalhadas pelo país. O caso do Rio é emblemático: Pezão declarou apoio a Dilma, mas a máquina eleitoral do PMDB fluminense apropriou-se da candidatura do atual governador para montar uma aliança em torno do candidato do PSDB ao Planalto, Aécio Neves. A parceria foi batizada de “Aezão”, em referência a Aécio e Pezão. Para dificultar ainda mais a possibilidade de trégua, o PT lançou candidato próprio ao governo fluminense: o senador Lindbergh Farias.

Leia mais notícias em Política

Segundo peemedebistas, o apoio de Pezão a Dilma é sincero, já que a relação entre ambos é boa. No entanto, eles reconhecem que o governador não tem qualquer controle sobre a máquina partidária local, comandada pelo deputado estadual Jorge Picciani, com influência do ex-governador Sérgio Cabral e do líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha. Cabral sonha em presidir nacionalmente o partido caso Aécio seja eleito presidente, enquanto Cunha quer suceder Henrique Eduardo Alves (PMDB-AL) no comando da Câmara. “Nem o melhor dos psicanalistas explica a situação do PMDB do Rio”, resumiu um integrante da legenda.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Mauro Mello
FORA DILMA E LEVE O PT JUNTO PRA BEM LONGE DO BRASIL | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas