política
  • (3) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

PODER LEGISLATIVO » Congressistas concentram trabalho de agosto em apenas dois dias Parlamentares terão dois dias de votações antes de voltarem para as campanhas. Na pauta, decreto dos conselhos populares, André Vargas e LDO

Naira Trindade

Publicação: 04/08/2014 06:16 Atualização: 04/08/2014 08:36

Aliado do governo, Henrique Alves anunciou que pretende rejeitar o decreto sobre conselhos populares (Carlos Moura/CB/D.A Press)
Aliado do governo, Henrique Alves anunciou que pretende rejeitar o decreto sobre conselhos populares


Após longa jornada longe das atividades do Congresso devido aos feriados, à Copa do Mundo e ao recesso branco, deputados encaram, nos próximos dois dias, um esforço concentrado de trabalho para limpar a pauta de votações. Os principais itens pendentes são a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que deveria ter sido aprovada até o mês passado, e o controverso decreto presidencial que trata dos conselhos populares. Em defesa do ato presidencial, o ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, participa de uma audiência pública na quarta-feira, na Câmara dos Deputados.

Carvalho quer impedir que os deputados derrubem o Decreto nº 8.243/14, que criou a Política Nacional de Participação Social (PNPS). Desde maio, o decreto tem suscitado debates no Congresso. Parlamentares contrários acusam-no de ser uma ferramenta para influenciar políticas governamentais, com integrantes indicados pelo próprio Palácio do Planalto. Os deputados alegam que os conselhos se sobrepõem ao trabalho do Legislativo, a quem cabe constitucionalmente fiscalizar e controlar as políticas públicas. Por outro lado, os parlamentares favoráveis ao modelo criado pelo governo Dilma Rousseff afirmam que os conselhos reforçam o papel da sociedade civil na gestão das políticas públicas, uma das reivindicações das manifestações de junho de 2013.

Leia mais notícias em Política

Na última sessão deliberativa antes do recesso, em 15 de julho, parlamentares conseguiram aprovar a urgência do decreto legislativo que susta os efeitos da medida presidencial. Em caráter de urgência, a proposta assinada pelo líder DEM, Mendonça Filho (PE), pode ser votada nesta semana. A definição ainda precisa ser costurada na reunião de líderes marcada para terça-feira. É possível que haja um acordo para analisar o decreto só após a audiência com o ministro e representantes do setor.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (3) comentários

Autor: jorge almada
Além de consumir recursos públicos em campanhas, vivem de férias, em campanhas pelos seus Estados para se reelegerem e se manter no poder , não tem interesses nenhum em votar ou aprimorar matérias de interesse público como : Saúde, Educação, Segurança e reformas Prev.e Tributária. Acorda Brasil!!!! | Denuncie |

Autor: filomena rocha
Essa Constituicao do Brasil foi feita so' para beneficiar pol;iticos, ladores e criminosos. O povo nao tem vez no Brasil. Esses senadores e deputados nao querem trabalhar, so querem se beneficiar das benesses que se dao a si proprios, eles nao tem consciencia. | Denuncie |

Autor: Messias Cassemiro cassemiro
Até quando o país será administrado por pessoas que mais parecem ser membros de uma máfia, do que mesmo representantes dos interesses do povo? Gostam tanto do poder, porque, se têm seus interesses particulares prejudicados, por lhes faltar tempo para deles zelar! O Poder parece o melhor "negócio". | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas