política
  • (3) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Luciana defende fim do fator previdenciário; Pastor Everaldo, segurança Candidatos à Presidência, Luciana Genro (PSol) e Pastor Everaldo (PSC) participaram de compromissos de campanha em Porto Alegre e em São Paulo

Agência Brasil

Publicação: 04/08/2014 21:20 Atualização:

Candidatos à Presidência da República, Luciana Genro (PSol) e Pastor Everaldo (PSC) participaram de compromissos de campanha nesta segunda-feira (4) em Porto Alegre e São Paulo, respectivamente. Luciana Genro disse ser a favor do fim do fator previdenciário. Já Pastor Everaldo defendeu mais segurança para o setor de transporte.

A candidata do PSol participou de ato na Esquina Democrática, tradicional ponto de reunião popular da capital gaúcha. %u201CNossos aposentados sofrem por causa do fator previdenciário, que foi uma maldade. Queremos seu fim e que os aposentados tenham reajuste igual ao do salário mínimo%u201D, disse. Luciana Genro também voltou a propor a taxação das grandes fortunas, com alíquota anual de 5% sobre as fortunas acima de R$ 50 milhões. Para a candidata, o Banco de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) deve ser usado para fomentar cadeias produtivas e setores econômicos de pequeno e médio porte, e não grandes conglomerados.

O presidenciável Pastor Everaldo teve um encontro com a diretoria do Sindicato das Empresas de Transportes de Cargas (Setcesp) em Guarulhos, região metropolitana da capital paulista. No evento, ele destacou a necessidade de segurança para os transportadores. Também defendeu a cassação do registro das empresas que vendem mercadorias roubadas. De manhã, Pastor Everaldo participou de uma reunião de pastores da Igreja Assembleia de Deus do Belém.
Tags:

Esta matéria tem: (3) comentários

Autor: Elma Rocha
o setor de transporte de cargas realmente necessita de cuidados e uma atenção especial, principalmente no que diz respeito a segurança. Achei muito válida essa proposta do Pastor Everaldo. | Denuncie |

Autor: francisco moura
Otimismo e crença levaram muitos a contribuir ao INSS durante 35 anos pelo teto e na hora de aposentar, devido a idade, foram chamados de vagabundos pelo governo que criou Fator Previdenciário que reduziu a valor da aposentadoria numa clara quebra de contrato.Ou seja, um ato político irresponsável. | Denuncie |

Autor: Elma Rocha
O pastor Everaldo pensou em outra questão que precisa também ser discutida:acabar com as irregularidades no transporte público, pois cada dia mais se tem percebido ações que ferem a segurança no setor | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas