política
  • (3) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Planalto condena uso de computadores públicos para críticas a jornalistas A Presidência da República divulgou nota em que diz ser impossível identificar os responsáveis pelas inserções em página na internet

Julia Chaib

Publicação: 08/08/2014 16:46 Atualização: 08/08/2014 20:03


O Palácio do Planalto divulgou nota, na tarde desta sexta-feira (8/8), em que classifica como "lamentável" e "condenável" o uso de aparelhos públicos para incluir críticas em perfis de dois jornalistas na internet, mas afirma ser "impossível" identificar os responsáveis pelas alterações. Segundo reportagem publicada na edição de hoje de "O Globo", críticas que partiram de computadores da Presidência da República foram incluídas nas páginas do Wikipedia sobre os colunistas Míriam Leitão e Carlos Alberto Sardenberg, da CBN e Rede Globo, no ano passado.

De acordo com o Planalto, há duas justificativas "técnicas" para não se identificar de onde partiram as mudanças. Uma delas é que os conteúdos da rede de internet de computadores da Presidência da República, até julho deste ano, só eram disponibilizados por seis meses. A alteração os perfis aconteceu em maio de 2013. Outro motivo é o de que qualquer pessoa poderia acessar a wifi do Planalto e o IP que apareceria na mudança do perfil seria o mesmo. "Ou seja, qualquer pessoa, mesmo que estivesse em visita ao Palácio do Planalto, poderia, em tese, ter realizado as alterações", informou a Secretaria de Comunicação da Presidência.

À época da inclusão de críticas nos perfis da Wikipedia, entretanto, não era simples acessar a rede de internet. Para se conectar á rede disponível, é necessário, além de usar uma senha, alterar as configurações do computador. Uma outra rede, chamada visitante que tem uma código divulgado a todos, só foi disponibilizada a partir da Copa do Mundo, em junho deste ano.

Críticas
A Wikipedia é uma enciclopédia on-line que recebe colaborações para alimentar os perfis. A forma para identificar quem fez alterações é por meio do IP dos computadores. No caso dos jornalistas, foram constatadas alterações com origem no IP de computadores do Planalto. No perfil de Miriam Leitão, foi colocado que ela era a maior defensora do banqueiro Daniel Dantas. Em relação à Sardenberg, incluíram que ele viveria um conflito de interesses como colunista econômico porque seu irmão é o presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

Depois da denúncia, o Planalto condenou lamentou o episódio. "A liberdade de expressão na internet é um direito de todos. Mas é absolutamente condenável a utilização de equipamentos públicos com o intuito de atacar a imagem de qualquer cidadão", diz a nota. A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) pediram investigação do caso.

Esta matéria tem: (3) comentários

Autor: GM Ferraz
O "Palácio" chamou a patifaria (mais uma) de condenável e prometeu investigação para punir os responsáveis? Só rindo desses canastrões. As investigação e punição serão como as feitas sobre as fitas de segurança do Palácio que foram "apagadas" no episódio da Sra Lina Vieira? | Denuncie |

Autor: jorge almada
É um absurdo ações de descaracterização de perfil que destes grandes jornalistas econômicos vindos de meios eletrônicos do Governo. Vamos aguardar as investigações pedida pela FENAJ E A ABERT. Há 2 anos fazendo comentários sobre matérias econômicas tive meu computador invadido por 2 vezes. AC-BR. | Denuncie |

Autor: Teófilo os
Não é a primeira vez que a máquina pública é utilizada para fins desse tipo. Segundo a imprensa, já ocorreu na Receita, na CEF e na PF, segundo o Tuma Jr. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

PUBLICIDADE

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas