política
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Falta de diálogo de Dilma com Congresso aumenta paralisações em votações Com pauta trancada, congressista é estimulado a permanecer no estado de origem em vez de viajar para Brasília

Naira Trindade

Publicação: 11/08/2014 06:07 Atualização: 11/08/2014 08:20

Ideli e líderes: relacionamento turbulento entre governo e Congresso (Antonio Cruz/Agência Brasil - 18/2/14)
Ideli e líderes: relacionamento turbulento entre governo e Congresso


Uma das razões apontadas por especialistas para justificar o alto índice de faltas sem justificativa dos deputados é a improdutividade nas sessões deliberativas. Sem acordo, a pauta de votações acaba trancada, emperrando a análise de propostas de interesse público. A pauta bloqueada estimula o congressista a permanecer no estado de origem em vez de viajar para Brasília. “Houve um aumento do número de MPs (medidas provisórias) do governo trancando a pauta durante longo período. Parlamentares vinham para Brasília, não deliberavam e passavam a não vir mais”, ressalta Antônio Queiroz, analista político do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap).

A pouca capacidade de negociação da presidente Dilma Rousseff com o Congresso teve papel fundamental na paralisação de algumas votações na Câmara. “Sem acordo para as votações, o governo segurou o quanto pôde a pauta. Em vários temas que não interessavam ao Planalto — como a criação de municípios, o piso salarial dos agentes comunitários de saúde e a PEC do Orçamento Impositivo —, o governo usava MPs para trancar a pauta”, afirma Queiroz.

O cientista político pela Universidade de Brasília João Paulo Peixoto salienta que Dilma tem menos “tato” com o Congresso do que o antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva. “Inegavelmente, Lula tinha mais paciência, aptidão e gosto pela política do que Dilma. Isso era um fator de motivação para o parlamentar, que sentia prazer de negociar, de estar com o presidente. Não havendo esse clima, a tendência é de um certo desencanto.”

Leia mais notícias em Política

Nesse contexto, as ausências em plenário se multiplicam. “O aumento de faltas se dá pela dinâmica de votações relevantes. Sem elas, o deputado não comparece. Ou se sente menos compelido a ir ao plenário”, diz o cientista político Murillo de Aragão. “Outro fato é a realidade de que a participação em plenário não é a única atribuição de um deputado. Muito ocorre nas comissões ou em audiências no Poder Executivo”, completa.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: jorge almada
Mudar a constituição é uma das saídas, visto que torna-se quase impossível qualquer governante dialogar com dezenas de partidos políticos compostos por centenas de deputados com correntes de pensamentos alheio da realidade nacional. Redução do números de Deputados e Partidos políticos JÁ! AC-BR | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas