política
  • (4) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

PSB impõe restrições e quer que Marina deixe de lado discurso da Rede Partido quer manter os acordos regionais e os palanques políticos acertados por Eduardo Campos

Juliana Colares

Amanda Almeida

Publicação: 16/08/2014 07:00 Atualização:

Marina: duas entidades ligadas ao agronegócio deram ontem um voto de confiança à atual vice na chapa do PSB ao Planalto (PSB/Divulgação - 5/8/14)
Marina: duas entidades ligadas ao agronegócio deram ontem um voto de confiança à atual vice na chapa do PSB ao Planalto


São Paulo e Brasília — A cúpula do PSB praticamente definiu o nome de Marina Silva como cabeça de chapa na corrida presidencial. Mas quer garantir que a ex-ministra do Meio Ambiente, além de manter os acordos regionais e os palanques políticos acertados por Eduardo Campos, “abrace o PSB” neste momento e não fale sobre a Rede Sustentabilidade.

O deputado federal Beto Albuquerque (RS), nome forte na disputa da vaga de vice da chapa, colocou o posicionamento dos socialistas de forma clara, em visita, na última quinta-feira, à ex-senadora. “Eu disse a ela que, neste momento, ela precisa abraçar o PSB, um partido ferido com a perda de Eduardo Campos”, afirmou. Marina ainda está muito abalada com a morte do ex-governador de Pernambuco, mas não teria se oposto à orientação. O que os socialistas procuram garantir é que, em uma eventual vitória na disputa presidencial, Marina não deixe a legenda para migrar para a Rede, partido que ela luta para criar.

Um aliado do ex-governador disse que a ideia é fazer uma espécie de carta aberta ao povo brasileiro, na qual Marina se comprometeria com o PSB e com o conteúdo programático acertado pela coligação. Não se colocou a Marina um impedimento à criação da Rede, mas os socialistas entendem que não é o momento de tratar do assunto.

A carta funcionaria, guardadas as devidas proporções, como a carta ao Povo Brasileiro elaborada pelo PT e por Lula em 2002 assegurando que não romperia os contratos firmados nem provocaria alterações na política econômica. Agora, a carta de Marina daria tranquilidade aos aliados e eleitores de Campos de que os rumos traçados anteriormente serão mantidos. A ideia é buscar uma forma suave de anunciar esse “abraço” ao PSB, sem deixar nem Marina nem os socialistas em uma saia justa.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.
Tags:

Esta matéria tem: (4) comentários

Autor: Baltazar Doile Dias
Ahahahah, quero ver. Quem poderá acreditar em que? | Denuncie |

Autor: Suzely Louzadas
Nós esperamos que Marina Silva siga os passos de Eduardo Campos e não se desvie nem um milímetro dele; nós que já estávamos com Ele e apoiávamos seus pensamentos queremos que Ela siga os mesmos passos e seja fiel aos ideais dele e assim poderemos votar e ficaremos em paz com seu governo!! | Denuncie |

Autor: augusto lima
Quem disse que o PT não traiu tudo aquilo que defendia antes de ser eleito, e também depois da tal carta. Só para lembrar: a cobrança dos aposentados e pensionistas que resultou até, nas saídas de petistas ilustres, como a própria Marina e outros, como Heloisa Helena, Chico Alencar... | Denuncie |

Autor: Marcos Antonio
Ou seja, vale tudo pra chegar a presidência da República. E isso é o que ela chama de ''nova política''. E ainda tem coragem de falar mal do PT...Me engana que eu gosto madame. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

PUBLICIDADE

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas