política
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Comovidos, pernambucanos lamentam a morte do candidato Eduardo Campos O Palácio do Campo das Princesas, sede do governo pernambucano, tornou-se o centro de uma triste romaria de homens e mulheres que, desde ontem, prestam as últimas homenagens ao ex-governador, antes do enterro na tarde de hoje

João Valadares - Enviado Especial

Publicação: 17/08/2014 08:04 Atualização:

Recife — Um senhor de cabelos brancos com uma flor amarela nas mãos andou lentamente até a frente do Palácio do Campo das Princesas, apertou os olhos e fez o sinal da cruz. Antes de ir embora, deixou discretamente uma placa no chão em que se lia: “Eduardo, imortal, imortal”. Uma reinvenção do hino de Pernambuco. Um vaqueiro do município de Granito, onde apenas 34 eleitores não votaram em Eduardo na última eleição, espalmou as mãos para o céu, em reverência ao “neto do véi arraia”. O estudante negro de uma escola pública pernambucana, vestido de orgulho, pendurou a farda do colégio na grade do palácio. Pouco depois, a dona de casa Eliete Adermas, 76 anos, falou sozinha olhando para a sacada de onde viu Eduardo Campos acenar quando assumiu pela primeira vez o governo pernambucano, em 2007. “Apareça, meu presidente. Apareça. Vou esperar aqui os seus olhos azuis.”

Mulher observa cartazes afixados em uma das portas do palácio: comoção popular no Recife (Allan Torres/DP/D.A Press)
Mulher observa cartazes afixados em uma das portas do palácio: comoção popular no Recife


Repetiu a frase cinco vezes e, sem querer, resumiu o sentimento de um estado inteiro. O “não pode ser verdade” está silenciosamente no inconsciente de cada pernambucano. E é assim, sem acreditar , que Pernambuco sepulta hoje à tarde o homem público que parecia indestrutível pelo vigor físico, político e intelectual. Virou mito no carbureto, aos 49 anos, ao ter a trajetória interrompida de maneira estúpida.

Leia mais notícias em Política

Hoje, quando Eduardo for enterrado, às 17h, no Cemitério de Santo Amaro, ao lado do túmulo do avô Miguel Arraes de Alencar, desenterra-se, para todo mundo ver, a carência de jovens líderes políticos do Brasil. Contraditoriamente, o homem que encarnava o discurso do coletivo como única alternativa para a construção de políticas públicas expôs, com sua morte, o centralismo cultivado ao longo dos anos. Sai de cena e o sentimento de orfandade inunda todas as instâncias do PSB. É como se não houvesse outra opção. Atordoados, os seguidores do pessebista não sabem mais como caminhar. Sentem falta do Eduardo que levantava a mão para apontar a direção. Por isso, eles também morreram um pouco.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas