política
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Marina veta doações de empresas de armas, fumo, agrotóxicos e bebidas Confirmada como a candidata do PSB ao Planalto, a ex-ministra também avisa que só subirá nos palanques estaduais que apoiava antes da morte de Eduardo Campos

Paulo de Tarso Lyra - Correio Braziliense

Publicação: 21/08/2014 06:05 Atualização: 21/08/2014 08:25

Marina cumprimenta Beto Albuquerque pela confirmação do nome dele como vice na chapa socialista: novas diretrizes a partir de agora (Minervino Junior/CB/D.A Press)
Marina cumprimenta Beto Albuquerque pela confirmação do nome dele como vice na chapa socialista: novas diretrizes a partir de agora


Oficializada candidata na chapa do PSB, Marina Silva fez mudanças significativas na coligação que até oito dias atrás era encabeçada pelo socialista Eduardo Campos. Ratificou que só estará presente nos palanques estaduais com os quais já concordava, transferindo para o candidato a vice, Beto Albuquerque, a tarefa de pedir votos nos locais em que ela não se sentir confortável. Emplacou dois de seus mais próximos aliados — Walter Feldmann e Bazileu Margarido — em postos-chaves da campanha (coordenação-geral e comitê financeiro) e, a partir de agora, não aceitará mais doações que venham de empresas de armamentos, fumo, agrotóxicos e bebidas.

“Essa era uma restrição presente no estatuto da Rede e que, a partir de agora, estará presente na campanha do PSB”, confirmou Bazileu. A campanha de Eduardo já recebera doações da Ambev, mas, a partir de agora, esse tipo de apoio não será mais aceito. Marina também conseguiu transformar uma carta de princípios com os compromissos do PSB em um documento um pouco mais palatável, que não parecesse uma imposição feita por uma legenda que, em certa medida, precisa muito de Marina para seguir com esperanças de chegar ao Planalto.

Foi omitida ainda qualquer menção de adiamento no processo de criação da Rede Sustentabilidade. O acerto dos ponteiros da campanha aconteceu em uma reunião tensa na Fundação João Mangabeira, do PSB, no Lago Sul, enquanto os demais integrantes da Executiva Nacional do PSB aguardavam Marina e a cúpula socialista na sede do partido, na Asa Norte. Sucessivamente, o início da executiva vinha sendo adiado.

Leia mais notícias em Política

Quando o presidente interino do PSB, Roberto Amaral, e o secretário-geral Carlos Siqueira chegaram à sede da legenda, Marina ainda estava no hotel, esperando que as últimas arestas fossem aparadas. “É um processo complicado, todos querem falar. Não há dúvida que a chapa é Marina e Beto (Albuquerque). O que está faltando são questões políticas envolvendo a campanha”, disse o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande. Ele deixou o encontro antes da chegada de Marina, alegando compromissos inadiáveis no estado.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas