política
  • (4) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Tucanos e petistas adotam postura de ataque à candidata do PSB Presidenciáveis criticam a falta de experiência administrativa e o estilo desagregador de Marina Silva

Paulo de Tarso Lyra - Correio Braziliense

Publicação: 26/08/2014 07:25 Atualização:

Marina pediu votos ao lado do vice, Beto Albuquerque, na bienal do livro de São Paulo: campanha em xeque ( Carla Carniel/Agência O Globo)
Marina pediu votos ao lado do vice, Beto Albuquerque, na bienal do livro de São Paulo: campanha em xeque


A ascensão de Marina Silva (PSB) intensificou o bombardeio de tucanos e petistas à presidenciável socialista na véspera do primeiro debate na televisão. Os primeiros questionamentos ocorreram no fim de semana, quando Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) abordaram a inexperiência administrativa da ex-senadora, se comparada a uma presidente candidata à reeleição e a um governador eleito duas vezes seguidas. Mas os ataques prosseguirão questionando outros pontos, como a falta de um partido forte e o estilo “desagregador” de Marina.

Aécio fez campanha no centro do Rio e avalia que o quadro da eleição presidencial se definirá a partir do dia 15 (Ricardo Moraes/Reuters)
Aécio fez campanha no centro do Rio e avalia que o quadro da eleição presidencial se definirá a partir do dia 15

Aécio ironizou ontem, durante visita ao Saara, centro de comércio popular do centro do Rio, as declarações dadas pelo economista Eduardo Gianetti da Fonseca de que, se eleita, Marina pediria ajuda a Fernando Henrique Cardoso e a Luiz Inácio Lula da Silva para governar. “Fico muito honrado em ver sempre referências positivas aos nossos quadros. Mas acho que o que vai prevalecer é o software original. Quem vai governar é o PSDB com os seus aliados e, obviamente, com figuras qualificadas, sem partido e de outras forças políticas”, afirmou Aécio.

Ele também desdenhou a possibilidade de crescimento de Marina nas pesquisas — o coordenador-geral da campanha do PSB, Márcio França afirmou que os novos resultados serão “avassaladores”. Para Aécio, a socialista embarcou em uma onda de comoção de curta duração. Ele garantiu que, dentro de 15 ou 20 dias, aparecerá em segundo lugar isolado nas pesquisas de intenções de voto. E aposta que o quadro para a disputa presidencial começará a se definir a partir de 15 de setembro.

Dilma, em entrevista no Palácio do Alvorada: críticas à inexperiência administrativa de Marina  (Cadu Gomes/Divulgação)
Dilma, em entrevista no Palácio do Alvorada: críticas à inexperiência administrativa de Marina

Dilma, que já questionara no domingo as declarações de Marina, ao afirmar que um presidente que não se preocupar com a gestão está querendo ser a rainha da Inglaterra, aproveitou ontem, ao responder uma pergunta sobre atraso no pagamento de obras do PAC, para criticar novamente a adversária, sem citar o nome dela. “A atividade de presidente da República não é uma atividade que seja lateral ele gerir. É intríseco ao presidente da República se preocupar com gestão, porque se ele não se preocupar com a gestão, esse presidente está querendo ser rei ou rainha da Inglaterra”, disse.

Leia mais notícias em Política

A nova estratégia de ataque conjunto à ex-ministra ministra do Meio Ambiente é motivada por razões diferentes. Os tucanos querem conter o crescimento de Marina e evitar que ela, e não Aécio Neves (PSDB), chegue ao segundo turno. Já os petistas estão tensos porque os primeiros números divulgados mostram que Marina venceria Dilma Rousseff em um eventual segundo turno, encerrando a hegemonia do PT no Palácio do Planalto que já dura 12 anos.

Caixa dois
Os adversários de Marina também cobram explicações sobre o avião alugado pela campanha socialista e que matou Eduardo Campos. Desde sexta-feira, Aécio começou a dizer que “homens públicos têm de estar preparados para dar explicações cobradas pela sociedade”. A Polícia Federal abriu investigação para apurar denúncias de que a aeronave teria sido paga por caixa dois empresarial ou do próprio PSB. Marina prometeu que a legenda daria explicações sobre o caso hoje.

Mas a candidata socialista é questionada por outras coisas, mais relacionadas ao aspecto político. Além da inexperiência administrativa — foi ministra do Meio Ambiente por cinco anos e meio e senadora pelo PT —, Marina é vista pelos seus contendores como alguém com estilo político desagregador, como seria comprovada pela própria trajetória dela.

Em 2008, Marina deixou o cargo de ministra por divergências com a então chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, e o então ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE), Mangabeira Unger. Um ano depois, para concretizar o projeto de concorrer ao Planalto em 2010, ela deixou o PT e filiou-se ao PV. “O que aconteceu? Marina perdeu a eleição e deixou o PV em 2011, alegando divergências internas com a cúpula do partido que a havia abrigado”, disse um parlamentar petista.

Marina tentou, sem sucesso, criar a Rede Sustentabilidade, mas teve o registro negado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). “Marina nem sequer conseguiu montar o próprio partido. Migrou para o PSB e, tão logo foi indicada candidata no lugar de Eduardo, todos os socialistas que ocupavam o comando de campanha pediram para sair”, completou o militante do PT.

A chegada da candidata do PSB também causa apreensão em experientes interlocutores do cenário nacional. Estrategistas da campanha de Aécio Neves (PSDB) afirmam que, se eleita, Marina não têm quadros técnicos e políticos para governar um país que atravessa um momento dramático na economia e tampouco base parlamentar para aprovar as mudanças na legislação brasileira.

Marina, que ontem fez campanha na Bienal do Livro, em São Paulo, admitiu que o momento será de responder aos ataques feitos pelos adversários. “Essa é uma campanha na qual vamos ter que oferecer a outra face. Vamos oferecer a outra face e caminhar com sabedoria”, garantiu ela.
Colaboraram Juliana Cipriani e Grasielle Castro

“Essa é uma campanha na qual vamos ter que oferecer a outra face. Vamos oferecer a outra face e caminhar com sabedoria”
Marina Silva, candidata do PSB ao Planalto

“Quem vai governar é o PSDB com os seus aliados e, obviamente, com figuras qualificadas, sem partido e de outras forças políticas”
Aécio Neves, candidato do PSDB a presidente da República

Alvo preferencial

Em ascensão nas pesquisas de intenção de voto, Marina Silva vira alvo de tucanos e petistas durante a corrida eleitoral. Confira alguns argumentos que serão usados contra Marina

Inexperiência administrativa
» A candidata do PSB já começou a ser questionada ao longo do fim de semana sobre o fato de nunca ter tido experiências como governante. Ela foi ministra por cinco anos e meio e senadora pelo PT

Falta de quadros para governar

» Tanto PSB quanto a Rede Sustentabilidade (que nem sequer foi criada) teriam poucos nomes técnicos e políticos para formular propostas ao país

Falta de sustentabilidade política
» O PSB tem uma coligação pequena. O discurso contra o formato político atual dificulta uma política de alianças que dê estabilidade parlamentar para que Marina implante as medidas que julgar necessárias

Avião suspeito
» O PSB está enrolado para explicar de quem é o jato que caiu em 13 de agosto, matando Eduardo Campos e outros integrantes da campanha do candidato socialista

Intransigência

» Marina é conhecida por ser pouco conciliadora. Durante o governo Lula, deixou a pasta após desavenças com Dilma Rousseff (ministra da Casa Civil) e Mangabeira Unger (ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos). Filiou-se ao PV e deixou o partido por discordância com a cúpula verde. Assim que foi confirmada como candidata do PSB, praticamente todo o comando de campanha socialista acabou substituído

Ambiguidade no discurso
» Marina ainda passa a impressão de não saber conciliar o discurso da sustentabilidade com o crescimento econômico. Adversários e empresários têm vivo na memória as críticas feitas por ela à construção de algumas rodovias e hidrelétricas do PAC

Discurso econômico básico
» A socialista não apontaria os meios para retomar o crescimento econômico, limitando-se a propor a retomada do tripé câmbio flutuante, meta de inflação e responsabilidade fiscal

Esta matéria tem: (4) comentários

Autor: Jose Rubens Mello
Tão com medo, né Dilma e Aécio? Quer dizer que a Marina não tem experiência administrativa, não é? E o Lula? Tinha administrado o quê, quando finalmente foi eleito PR? E o Aécio? Pobre dele não fora o tino e competencia administrativa do atual governador de Minas! É muito "malcaratismo"!!!!! | Denuncie |

Autor: Jorge Magalhães
Quem decide eleição é o voto do eleitor, não adianta criar fatos "casca de banana" contra Marina Silva. O eleitor já está decidindo que ela será a próxima presidenta. O resto é choro de perdedor. | Denuncie |

Autor: Vanusa Tosta
Marina simplesmente não faz parte dos conhaves deles. Por vai ser eleita presidente do Brasil! | Denuncie |

Autor: Vanusa Tosta
Velhas raposas, fadados ao fracasso. Marina para Presidente!!! | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

:: Publicidade

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas