política
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Pesquisas indicam troca de governo em 22 das 27 unidades da Federação Sondagens eleitorais apontam para o fim do clã Sarney no Maranhão e para o renascimento do carlismo na Bahia

Paulo de Tarso Lyra - Correio Braziliense

Publicação: 30/08/2014 06:01 Atualização:


O desejo de mudanças, que eclodiu nas manifestações de rua de junho do ano passado, se mostra uma tendência nas eleições para os governos estaduais. Na maior parte das unidades da Federação, os partidos que elegeram governantes em 2010 estão sendo derrotados no pleito deste ano, baseado nas pesquisas recentemente divulgadas. Isso ocorre mesmo nos casos em que o atual governador já se reelegeu, mas dificilmente conseguirá emplacar um sucessor.

Curiosamente, a disputa deste ano pode ver o sepultamento de uma dinastia e o renascimento de um movimento político ligado a um clã que se imaginava extinto. No Maranhão, após o término do segundo mandato de Roseana — e a desistência dela em concorrer ao Senado —, o clã Sarney parece estar com os dias contados. Escolhido como sucessor, o peemedebista Edison Lobão Filho está bem atrás de Flávio Dino (PCdoB), que, se eleito, deve pôr um fim a uma hegemonia quase ininterrupta de mais de 50 anos, exceção feita a 2006, quando o pedetista Jackson Lago elegeu-se governador, mas foi cassado em 2009.

Já na Bahia, o carlismo está renascendo. Já havia dado sinais de vitalidade em 2012, quando Antonio Carlos Magalhães Neto, o ACM Neto, foi eleito prefeito de Salvador, contrapondo-se ao argumento de que a disnatia não sobrevive nos meios urbanos, por ser um estilo político entranhado nas classes mais populares. ACM Neto, que coordena a campanha presidencial de Aécio Neves na Bahia, caminha para eleger Geddel Vieira Lima (PMDB) ao Senado e Paulo Souto como governador, encerrando um ciclo de oito anos do PT no poder estadual.

Das 27 unidades da Federação, incluindo o Distrito Federal, 22 terão, a se manter as pesquisas divulgadas até o momento, troca nos partidos que darão as cartas na administração local daqui por diante. Em apenas cinco delas — Goiás, São Paulo, Paraná, Acre e Rondônia — as mesmas legendas podem continuar no poder. Nos três primeiros casos, o partido é o PSDB. No Acre, o PT e em Rondônia, o PMDB.



A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.
Tags:

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Tarcísio Silva
Finalmente, o brasileiro acordou para necessidade de se fazer uma grande virada, nestas eleição. O Brasil não suporta mais tanta corrupção e por isso está literalmente quebrado. Renovação já, no poder central e também em todas as undades da federação! | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

PUBLICIDADE

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas