Força-tarefa do MP reforça tese de propina paga a Eduardo Cunha

Ao pedir a condenação de ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, dos lobistas Fernando Baiano e Júlio Camargo, além do doleiro Youssef, procuradores indicam que o presidente da Câmara ficou com parte do dinheiro da corrupção

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 24/07/2015 06:03 / atualizado em 23/07/2015 22:47

Eduardo Militão , João Valadares

Antonio Cruz/AFP

 

A força-tarefa do Ministério Público na Operação Lava-Jato reforçou que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), era destinatário de propinas na contratação de navios-sondas da Petrobras. A acusação foi usada para contextualizar alegações finais apresentadas nesta quinta-feira (23/7) ao juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba, Sérgio Moro, em que os procuradores pedem a condenação do ex-diretor de Internacional da estatal Nestor Cerveró, dos lobistas Fernando “Baiano” Soares e Júlio Camargo e do doleiro Alberto Youssef. Os dois últimos fizeram acordo de delação premiada com os investigadores.

Leia mais notícias em Política

Segundo Camargo, foram pagos US$ 40 milhões em propinas para viabilizar a construção de dois navios da Samsung Heavy Industries, nos quais a Petrobras pagou US$ 1,2 bilhão. Uma parte do dinheiro ficou com Cerveró e “Baiano”, segundo os nove procuradores da força-tarefa. “Apurou-se que parte do dinheiro da propina também era destinada ao deputado federal Eduardo Cunha”, apontam eles.

Os procuradores ainda mencionaram o interrogatório em que Camargo disse que o deputado, após pressão de Baiano, cobrou US$ 5 milhões como quinhão nos subornos do esquema. “Conforme exposto no último interrogatório deste processo, Júlio Camargo passou a sofrer diversas pressões de Fernando Soares, o qual agia em nome de um dos agentes políticos destinatários finais da propina das sondas.” A parte referente ao parlamentar é investigada no Supremo Tribunal Federal (STF).

Corrupção

Nas alegações finais, o Ministério Público Federal pediu a condenação de Cerveró e Baiano por corrupção e lavagem de dinheiro. Os procuradores querem que Camargo seja condenado ainda por crime contra o sistema financeiro nacional. Para Youssef, querem apenas a condenação por lavagem. O MPF pede que a Justiça determine que os réus paguem R$ 296 milhões, sendo R$ 140 milhões para devolver os ganhos com a corrupção e mais multa de R$ 156 milhões. O dinheiro deverá ser pago à Petrobras, ao sistema financeiro e ao Judiciário.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.  

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Aloisio
Aloisio - 26 de Julho às 14:58
Será que vai demorar muito para que a Câmara fique livre. na sua Presidência de um tumor que ali está?
 
RAIMUNDO
RAIMUNDO - 24 de Julho às 09:01
Creio que os parlamentares deveriam receber uma pena maior, comparativamente ao cidadão comum, pois, eles são eleitos pelo povo para exercer uma função pública. A justiça brasileira há muito não pune esses caras, sempre há uma maneira de anular a punição, isso demonstra que o Brasil está na contramão da modernidade, aqui a justiça só funciona para os pobres e não poderosos. Isso sempre realimenta a corrupção, eles têm certeza de que o crime vale a pena. A nosso história demonstra que a corrupção não para e não há corruptos na cadeia, isso é um absurdo.
 
RAIMUNDO
RAIMUNDO - 24 de Julho às 08:54
É um absurdo os parlamentares brasileiros terem foro privilegiado. Nos países civilizados, em que a justiça funciona para todos cidadãos, os parlamentares também tem foro privilegiado?