SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Ministro do STF concede perdão a José Dirceu por crimes do mensalão

Dirceu já cumpriu um ano na cadeia e um ano no regime domiciliar dos sete anos e 11 meses a que foi condenado pelo mensalão, mas segue preso pela Lava-Jato

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/10/2016 18:44 / atualizado em 17/10/2016 19:50

Estado de Minas

Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
 

 

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu indulto ao ex-ministro da Casa Civil José Dirceu para extinguir a pena recebida por ele no processo do mensalão. Ele já cumpriu um ano na cadeia e um ano no regime domiciliar dos sete anos e 11 meses a que foi condenado.

Com o benefício, Dirceu ficará livre da pena no mensalão, mas continuará preso pela Lava-Jato. Em 2015, foi levado para Curitiba para ficar em prisão preventiva e acabou condenado a 23 anos e três meses pelo juiz Sérgio Moro. Sem o indulto, seria necessário somar as duas penas, o que levaria a um total de 31 anos e dois meses. Em junho, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao STF parecer favorável ao indulto pedido pela defesa do ex-ministro.

 

Leia mais notícias em Política

 

O indulto consiste no perdão total e irrestrito ao detento. No entando, de acordo com a lei, para receber esse benefício, o preso precisa ter bom comportamento e não pode ter tido falta disciplinar de natureza grave. Em fevereiro, Barroso negou o indulto porque os crimes da Lava-Jato teriam sido cometidos enquanto o réu estava preso pelo mensalão. Portanto, o perdão ficaria inviável em caso de condenação pela Lava-Jato.

Mas o parecer que Janot enviou ao STF esclarece que os supostos crimes da Lava-Jato teriam ocorrido até 13 de novembro de 2013. Dirceu foi preso no mensalão dois dias depois. José Dirceu foi preso inicialmente no regime semiaberto, em que o detento pode sair da prisão durante o dia e voltar à noite, para dormir.

Em novembro de 2014, o petista foi transferido para o regime aberto, que estava sendo cumprido na casa dele, no Lago Sul, bairro nobre da capital federal. Em setembro de 2015, Dirceu passou à condição de réu na Lava-Jato na Justiça Federal em Curitiba e o juiz Sérgio Moro decretou a prisão preventiva do investigado.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Zenirávila
Zenirávila - 19 de Outubro às 01:16
PERDÃO??? COM DEVOLUÇÃO OU SEM DEVOLUÇÃO???
 
Priscila
Priscila - 18 de Outubro às 19:55
desejo registrar minha decepção e revolta pelo comportamento do STF. Em um momento tão conturbado em nosso pais, onde fica escancarada a falta de caráter de grande parte dos políticos, em que a sociedade sofre por uma recessão criada pela corrupção imoral dos que estavam no poder e aos que junto a eles se beneficiavam, quando há tanta desesperança e apenas uma luz no tunel, que e a moralização da justiça, voces concedem perdão a um dos que foi grande responsavel por toda esta corrupção institucionalizada. coo professora, defendo nossas instituições junto aos jovens na faculdade. depois desta fica difícil convence-los de que a ética, a moral e o caminho correto em nossa sociedade. lamentável. dou nota zero para os representantes da dita Lei.....me envergonho de ser brasileira. Que Deus proteja todos os procuradores que estão honestamente buscando desvendar e inibir a corrupção. Eles sim, podem quem sabe, se deus os proteger na justiça brasileira, ajudar nosso pais.
 
Marcos
Marcos - 18 de Outubro às 11:47
Olha...perdi as esperanças de um judiciário justo. Impressiona a desfaçatez da justiça, em fazer uma ação destas. Este traidor, com vários vídeos identificando tal traição ao país, deveria ficar encarcerado até o fim da vida. Como que a justiça deixa um malfeitor destes sair, sem pagar pelo que fez? 12 milhões de desempregados não é o suficiente, Magistrados?
 
Priscila
Priscila - 18 de Outubro às 19:58
Acredito que ele não sairá agora. mas abrem uma brecha perigosa e nao duvido que daqui há um tempo a defesa deste elemento entre pedindo perdão a outra pena. Ai serão os juizes os responsaveis pela perpetuação da corrupção, ainda que por omissão, ou por irresponsabilidade...sei la. nem sei o que pensar ao ler tanta atrocidade. O povo sofre, e penalizado de todo jeito e eles dão um jeito de defender quem assola este mesmo povo. precisamos de coragem....e persistência, alem da fé.

publicidade