SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Polícia Legislativa diz desconhecer varredura em residência oficial

Em depoimento prestado à Polícia Federal, o diretor da Polícia do Senado disse que, a pedido de Cunha, policiais legislativos do Senado fizeram a varredura

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 24/10/2016 18:26

Agência Estado

A Polícia Legislativa da Câmara disse desconhecer a varredura na residência oficial em Brasília solicitada no ano passado pelo então presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), aos policiais legislativos do Senado.


Segundo a Polícia da Câmara, a varredura pode ter acontecido sem o conhecimento da instituição porque os policiais que fazem a segurança presidencial não costumam circular pela residência do deputado e não tem o controle das pessoas que entram com o consentimento do parlamentar.

 

Em depoimento prestado à Polícia Federal, o diretor da Polícia do Senado, Pedro Ricardo Araújo Carvalho, disse hoje que, a pedido de Cunha, policiais legislativos do Senado fizeram uma varredura na residência oficial à procura de dispositivos de escuta ambiental e telefônica. O pente-fino ocorreu, segundo ele, depois que a Polícia Federal cumpriu mandado de busca e apreensão no imóvel, em dezembro do ano passado, numa das etapas da Operação Lava-Jato.

 

Leia mais em Política 

 

Troca

 

Diferentemente da Polícia Legislativa do Senado, onde o diretor Pedro Ricardo comandava a equipe há 11 anos, na Câmara dos Deputados a diretoria muda, em média, a cada dois anos. Ao assumir a presidência da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), trocou todos os diretores, inclusive da Polícia Legislativa. As mudanças geralmente ocorrem a cada troca de presidente da Câmara, que promove os policiais de sua confiança.

 

O último que ocupou o cargo foi Paulo Marques, que assumiu a função na gestão do então presidente Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), em 2013. Com um perfil mais político, Marques conseguiu se manter no cargo durante a gestão do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Fontes dizem que Marques se expôs além do recomendado, recepcionava o presidente pessoalmente na entrada da Câmara e gostava de aparecer sempre ao lado de Cunha.

 

Marques foi substituído há um mês por Paul Deeter, que foi professor de inglês de Maia há 25 anos. "Apenas renovei, nada além disso", justificou Maia. A Polícia Legislativa da Câmara tem um efetivo de 260 homens e foi criada por uma resolução de 2003. Não há vínculo administrativo com os colegas do Senado. A essência do trabalho é fazer a segurança nas dependências da Casa, o controle de entrada no prédio e a segurança do presidente da Câmara 24 horas por dia.

 

Em 2014, os policiais chegaram a fazer a escolta de Alves durante sua campanha para governador do Rio Grande do Norte porque o deputado não havia se licenciado do cargo para disputar o governo local. Os policiais da Câmara já chegaram a reivindicar a compra de um equipamento de varredura parecido com o do Senado, mas a Casa nunca autorizou sua aquisição por se tratar de um equipamento caro. Os agentes são capacitados para fazer apenas a varredura física, mas as solicitações geralmente são formalizadas.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade