SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Organizações protestam contra limitação de verbas da PEC 241

"A PEC 241 é o maior ataque aos direitos sociais do trabalhador na história do Brasil", diz Josivaldo Oliveira, da Frente Brasil Popular no Ceará

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 25/10/2016 07:30

Agência Estado

As frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, sindicatos e movimentos estudantis organizaram na última segunda-feira, 24, mobilizações em várias partes do País contra a Proposta de Emenda à Constituição 241, a PEC do Teto de Gastos. As passeatas reuniram, em sua maioria, funcionários públicos federais, estudantes e professores universitários. A proposta dos grupos é convocar novas manifestações hoje, dia em que a PEC terá sua segunda votação na Câmara.

"A PEC 241 é o maior ataque aos direitos sociais do trabalhador na história do Brasil", diz Josivaldo Oliveira, da Frente Brasil Popular no Ceará.

Leia mais notícias em Política

A entidade entende que, além de não servir para estabilizar a dívida pública, a proposta não combate a inflação, nem garante uma maior eficiência na gestão do dinheiro público. "A população cresce a cada dia e os gastos congelados vão significar uma queda vertiginosa nas despesas federais, comprimindo a provisão de serviços públicos", diz Oliveira, que participa da organização de novo ato, marcado para hoje, na Praça da Gentilândia, em Fortaleza.

Bombas

Ontem, ocorreram manifestações pontuais em cidades do interior e em capitais. Em Porto Alegre, um primeiro ato, logo pela manhã, bloqueou uma das principais entradas da capital, na Avenida Mauá, no acesso ao Centro Histórico, causando grande congestionamento. O trânsito só foi liberado com a ação da Brigada Militar. O Pelotão de Choque foi acionado e precisou lançar bombas de gás para dispersar o protesto. À tarde, no centro, professores fizeram uma caminhada, que terminou em frente ao Palácio Piratini, sede do Executivo gaúcho

Em Belo Horizonte, alunos da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) fizeram paralisação. Desde sexta-feira, o prédio onde funciona o Centro de Atividades Didáticas, no Campus da Pampulha, está ocupado. Também ocorreram manifestações em escolas federais do interior do Estado.

No Rio, a mobilização teve início pouco antes das 19 horas, na Praça Pio X, ao redor da Igreja da Candelária. A Avenida Rio Branco foi interditada. A passeata seguiu em direção à Cinelândia.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade