SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Moro nega à Promotoria dados do 'departamento de propinas' da Odebrecht

Na decisão, o juiz da Lava-Jato pondera que as solicitações da Promotoria fluminense "são genéricas" e que a Polícia Federal ainda não terminou a análise de todo o material apreendido

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 31/10/2016 18:33

Agência Estado


O juiz Sérgio Moro negou pedido do Ministério Público do Rio para compartilhar provas sobre o "departamento de propinas" da Odebrecht, revelado pela Operação Lava-Jato, em 16 inquéritos civis abertos para apurar suspeitas de improbidade envolvendo o prefeito Eduardo Paes (PMDB), as obras do Parque Olímpico, da Linha 4 do Metrô e do Maracanã.

Na decisão, o juiz da Lava-Jato pondera que as solicitações da Promotoria fluminense "são genéricas" e que a Polícia Federal ainda não terminou a análise de todo o material apreendido na Odebrecht.

Moro menciona até as negociações do acordo de colaboração da empreiteira com a Procuradoria-Geral da República. "É conveniente que qualquer compartilhamento aguarde o momento próprio, quando provavelmente as provas estarão mais maduras", assinala.

Leia mais notícias em Política


"Evidentemente, caso identificados crimes de competência da Justiça Estadual do Rio de Janeiro, isso será encaminhado oportunamente àquele Estado", segue o magistrado.

O pedido de compartilhamento foi encaminhado à Justiça Federal em Curitiba pelo procurador-geral de Justiça do Rio José Eduardo Giotola Gussem em julho deste ano. Nele, o procurador lista 16 investigações da promotoria de Defesa da Cidadania da capital fluminense envolvendo algumas das principais obras do Rio, como o Porto Maravilha, e outros contratos da prefeitura que estão sob suspeita dos investigadores.

Os procuradores da força-tarefa de Curitiba também se manifestaram sobre o pedido. Eles entendem que a solicitação "não permite identificar com precisão a identidade entre os fatos investigados naqueles procedimentos e os elementos de prova colhidos nos presentes autos".

Com isso, os procuradores da Lava-Jato se manifestaram contrários ao compartilhamento.

Os promotores do Rio pediram acesso, sobretudo, ao material das buscas e quebras de sigilo do "departamento de propinas" da Odebrecht, de seu executivo Benedicto Barbosa e outros documentos apreendidos nas fases 23 (Acarajé) e 26 (Xepa) da Lava Jato.

Na Acarajé, deflagrada em fevereiro, foram presos os marqueteiros João Santana e Mônica Moura, que atuaram nas campanhas presidenciais de Lula (2006) e Dilma (2010 e 2014).

Também foi presa a secretária Maria Lúcia Tavares, que atuava no Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht. Ao ser detida ela decidiu colaborar e revelou que este setor funcionava como um verdadeiro "departamento da propina" da maior empreiteira do País, utilizando um sistema de comunicação e de contabilidade para controlar pagamentos em espécie no Brasil e transferências no exterior do caixa 2 da empresa.

Foi com a colaboração dela que a Lava Jato avançou ainda mais sobre o Grupo Odebrecht, levando à Operação Xepa, deflagrada em março e que destrinchou a extensão do complexo esquema de pagamentos ilícitos atribuídos à empreiteira.

A partir daí, com a Operação Xepa, a empresa anunciou oficialmente que passaria a colaborar com as investigações e, desde então, vem sendo negociado o maior acordo de delação premiada na Lava Jato que pode atingir centenas de políticos dos maiores partidos brasileiros.


publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade